2013 em exposição // Destaques do ano nas artes visuais em Belém

Resolvemos fazer uma seleção do que melhor aconteceu em 2013 nas artes visuais de Belém, exposições individuais, coletivas e projetos especiais, são três exposições/projetos em cada um dos ítens. Estamos abertos a críticas e comentários, fique à vontade.

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

ENTREATO DA LUZ, de Luiz Braga

Um dos maiores fotógrafos do Brasil, o paraense Luiz Braga mostrou na Sala Valdir Sarubbi do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas seus trabalhos que já fazem parte de nosso imaginário artístico com novas produções, com curadoria de Armando Queiroz. Um ponto alto a destacar foi a instalação com as fotografias da série “Menina e Carvão”, uma novidade expositiva na carreira do artista.

OLHAR URBANO, de Jeyson Martins

O jovem artista Jeyson Martins fez duas individuais em 2013, “Interlúdio”na Galeria Gotazkaen e essa que destacamos aqui que foi realizada na Galeria Theodoro Braga, no Centur. O artista mesclou a fotografia pinhole, realizada em câmeras artesanais criadas pelo próprio artista em latas vazias de spray, onde ele capta a periferia da cidade onde, por vezes, intervêm com seus grafites e pixos.

MIRADA, de Luiza Cavalcante

luiza

A jovem fotógrafa paraense revela um olhar poética em sua série “Mirada”, onde retrata o universo de cinco mulheres, em branco e preto, e com grande domínio de cena. Uma entrada de grande impacto na forte cena da fotografia em Belém, selecionada no edital de pautas da galeria do CCBEU.

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

II SALÃO XUMUCUÍS DE ARTE DIGITAL, curadoria de Ramiro Quaresma

Não podiamos deixar de citar a segunda edição do Salão realizado pelo nosso blog, realizada através do prêmio Conexão Artes Visuais MINC/Funarte/Petrobras em dois espaços expositivos (CCBEU e MEP, ambos em editais de seleção de pauta). 20 artistas selecionados em todo o Brasil e 9 convidados paraenses fizeram parte do projeto.

AMAZÔNIA, LUGAR DE EXPERIÊNCIA, curadoria de OrlandoManeschy

Projeto que tem objetivo formar o acervo amazoniano do Museu da UFpa, idealizado pelo artista visual e curador Orlando Maneschy, adquiriu esta coleção que expôs no MFUPA e no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas.

IV PRÊMIO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO DE FOTOGRAFIA, curadoria de Mariano Klautau

Projeto de grande visibilidade idealizado pelo fotógrafo e professor Mariano Klautau e realizado pelo jornal Diário do Pará.  Através de seleção a nível nacional o Prêmio realizou duas exposições, no MUFPA e no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. O projeto tem como pontos fortes as ações formativas e educativas realizadas antes e durante o evento.

PROJETOS ESPECIAIS

R.U.A – Rota Urbana pela Arte

Projeto da artista visual/grafiteira Drika Chagas que propôs uma galeria de grafites pelas ruas da Cidade Velha em Belém, ressignificando o espaço urbano a partir de uma pesquisa com as memórias dos moradores do bairro.

#REDUTOWALLS

Projeto de arte urbana de Sebá Tapajós, onde o artista e colaboradores grafitam um muro por semana no bairro do Reduto, antiga zona portuária de Belém.

FESTIVAL AMAZÔNIA MAPPING

Idealizado pela artista visual Roberta Carvalho, a primeira edição do festival trouxe a Belém os grandes nomes do VJismo e mapping do Brasil e levou milhares de pessoas ao Complexo Feliz Lusitânia para as apresentações que mapearam as superfícies dos principais prédios históricos da cidade.

Imagens: web, facebook e etc (quem quiser crédito é só falar) 🙂

Exposição “O retrato que há em mim” – Onze Janelas

apae 3

A produção em artes visuais dos alunos da Apae de Belém se constitui de vivências, que buscam: a percepção de elementos formais das artes, a familiaridade com materiais artísticos, o estímulo à percepção e reflexão de subjetividades contidas em obras de arte, a oportunidade de acesso a conteúdos culturais, construção de diálogos e visitas à exposições e espaços culturais, experiência notadamente enriquecedora.

Costumo dizer que toda deficiência dos meus alunos desaparece e nos tornamos semelhantes quando percebo as minhas próprias deficiências. É quando passamos a falar a mesma língua, de igual para igual. Nesse momento, em que me deparo com a dificuldade de ser compreendida por eles, entendo que a deficiência é minha e visto a pele do outro, pois que conheço as minhas dificuldades, bem como as potencialidades, como eles também conhecem as deles. E então, nos entendemos e toda ação se torna possível.

Foi no exercício de olhar o “outro-artista” que iniciamos nosso percurso neste trabalho. Tentando com que essa experiência os conduzisse para a percepção do próprio “eu” e que pudessem se projetar, eles mesmos, na ideia de se autorrepresentar – diferentes e únicos nas características individuais e semelhantes na capacidade de se reconhecer e de encontrar, através da janela do espelho, os seus próprios retratos.

apae 2

Partimos do referencial concreto, utilizando autorretratos de artistas conhecidos, possibilitando releituras, fruição, diálogos e formação de opinião. Nesse processo, surgem identidades, constrói-se conhecimento e revelam-se juízos de gosto, arcabouços do “existir”. A mágica se dá quando eles se descolam do referencial imagético que lhes foi oferecido, tomando suas próprias decisões, anunciando que toda a deficiência, a minha e a deles, foi superada e que uma conexão foi estabelecida. Desenharam-se, pintaram-se e se representaram com a liberdade de ser: eles próprios em sua subjetividade, sendo nuvem, como no poema de Mário Quintana, cores e sonhos… Nuances subjetivas presentes em cada autorretrato desta mostra.
Nesta exposição apresentamos a expressividade de cada um, o desejo e o orgulho com que essas pessoas se colocam e se sentem participativas de um processo em que estão verdadeiramente incluídas e envolvidas, que revela as individualidades e sentimentos de quem não vive em um mundo paralelo, mas no mesmo mundo a que todos fazemos parte. Talvez o que seja excepcional nesta experiência, seja apenas a rara oportunidade, em que podemos trazer ao público os resultados tão cheios de emoção, e, particularmente para nós que os acompanhamos nesse exercício de criação e superação.

Silvana Saldanha
Professora de Artes Visuais da Apae de Belém.

apae

Exposição “Buena Memoria” do fotógrafo argentino Marcelo Brodsky, Laboratório das Artes/ Onze Janelas

A exposição Buena Memoria do fotógrafo argentino Marcelo Brodsky é formada por fotografias, instalação e vídeo. Trata-se de um ensaio fotográfico realizado a partir de uma fotografia tirada em 1967 dos colegas de classe do Colégio Nacional de Buenos Aires. O fotógrafo realiza uma intervenção na imagem e desenvolve um trabalho revelador da ausência do irmão, do melhor amigo, daqueles que desapareceram nos duros anos da ditadura argentina. Brodsky apresenta com sensibilidade um conjunto de imagens que se transforma em um diálogo doloroso e poético entre passado e presente.
Exposição: BUENA MEMORIA
Fotógrafo:  Marcelo Brodsky
Dia: 09 de outubro de 2012
Local: Espaço Cultural Casa das Onze Janelas – Pça Frei Caetano Brandão s/nº,  Sala Valdir Sarubbi
Horário: 19h
CAFÉ FOTOGRÁFICO
BUENA MEMORIA: um encontro com Marcelo Brodsky
Parceria entre FotoAtiva e Espaço Cultural Casa das Onze Janelas
Um bate papo com Brodsky
Dia: 10 de outubro de 2012
Local: IAP – Praça Justo Chermont 236, Nazeré
Horário: 19h
Entrevista com o fotógrafo Marcelo Brodsky no Fórum de Fotografia:

Exposição “Desenhos Assombrados” de Tadeu Lobato, Museu Casa das Onze Janelas


DESENHOS ASSOMBRADOS
A exposição é composta por desenhos e vídeos, o artista realiza um diálogo direto com os trabalhos do ilustrador americano Edward Gorey. Tadeu Lobato toma como referência o livro de Gorey, Alfabeto Macabro, realizando sutis interferências nas imagens e estabelecendo um jogo conceitual de nonsense com o ilustrador. A idéia é realizar uma espécie de storyboard, numa concepção que propõem um não tempo ou mais precisamente um tempo fora do nosso tempo. Há uma cumplicidade entre o artista e o ilustrador, são afinidades substanciadas pelo humor carregado de ironia. Tadeu Lobato faz uma reflexão sobre o mundo contemporâneo, sobre uma inocência perdida, sobre as contações de histórias para embalar um sono intranquilo.

 

 

SERVIÇO:

Título da exposição: Desenhos Assombrados.

Artista: Tadeu Lobato
Local: Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Laboratório das Artes
Data de abertura: 27 de setembro, às 19h
Período da exposição: 27 de setembro até 02 de dezembro.

Horário de visitação: Terça a sexta das 10 às 18h. Sábado, domingo e feriado das 10h às 14h

Edital de pautas para exposições nos espaços do Sistema Integrado de Museus e Memoriais/Secult

Estão abertas até 29 de Julho as inscrições de pautas de exposições de artistas e curadores para os espaços do SIM. 

SALA GRATULIANO BIBAS / ONZE JANELAS

LABORATÓRIO DAS ARTES / ONZE JANELAS

SALA MANOEL PASTANA / MHEP

GALERIA FIDANZA / MUSEU DE ARTE SACRA

EDITAL DE PAUTA SIM 2012 

NÚMERO DE PUBLICAÇÃO: 355372 

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ 

SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA 

SISTEMA INTEGRADO DE MUSEUS E MEMORIAIS 

EDITAL DE PAUTA SIM 2012 

 Secretaria de Estado de Cultura do Pará- SECULT, através do Sistema Integrado de Museus e Memoriais– SIM, torna público que estarão abertas, até o dia 29.06.2012, as inscrições para EDITAL DE PAUTA SIM 2012 dos museus do SIM:LABORATÓRIO DAS ARTES e SALA GRATULIANO BIBAS do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas-COJAN; SALA MANOEL PASTANA do Museu Histórico do Estado do Pará – MHEP e SALA AUGUSTO FIDANZA do Museu de Arte

Sacra – MAS. 1. DO OBJETIVO 1.1 – Selecionar 16 projetos de artistas visuais e/ou curadores para realização de exposições individuais e/ou coletivas, nos espaços museais do Sistema Integrado de Museus e Memoriais da Secult a saber: 04 projetos para o Laboratório das Artes e 04 para a Sala Gratuliano Bibas do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, 04 projetos para a Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra, 04 projetos para a Sala Manoel Pastana do Museu do Estado do Pará. 1.2. – A divulgação dos selecionados dar-se-á por meio de Portaria, publicada no Diário Oficial do Estado do Pará e nos sites www.pa.gov.br e www.secult.pa.gov.br 1.3. – As exposições deverão contemplar artistas e/ou curadores inscritos em todo o território nacional, cabendo à Comissão de Seleção, em conjunto com o SIM por meio do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, selecionar as propostas inscritas, obedecendo ao seguinte critério: 2. DAS INSCRIÇÕES 2.1. – As inscrições serão gratuitas e estarão abertas no período de 30 de abril a 29 de junho de 2012, após a publicação deste Edital no Diário Oficial do Estado do Pará.

2.2. – Poderão se inscrever artistas e/ou curadores de todo o Brasil;

2.3. – Na hipótese de inscrição de trabalhos em grupo, apenas um membro deverá constar como responsável pela inscrição em que ele será identificado como proponente. Os demais integrantes do grupo deverão preencher o formulário de inscrição como participantes. Caso o grupo seja selecionado, tanto o proponente quanto os participantes deverão firmar o termo previsto no item 8.1 letras “a” e “b”, deste edital.

2.4. – A inscrição deverá ser efetivada no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, Praça Frei Caetano Brandão s/ no Cidade Velha – CEP:66020-310 ou através do envio do material de inscrição pelos Correios e deverá ser postada até o dia 29 de junho de 2012, considerando-se para esse fim a data registrada no carimbo dos Correios ou serviço de entrega.

2.5. –. Serão desconsideradas as inscrições postadas fora do prazo e aquelas cujo material estiver incompleto.

2.6. – A inscrição deverá ser enviada em envelope com nome completo do profissional e escrito: EDITAL DE PAUTA SIM 2012/Sistema Integrado de Museus e Memoriais. Os dossiês remetidos pelos Correios deverão ser registrados ou, se possível, enviados por Sedex, e incluir um envelope já sobrescrito com o endereço para devolução e com os selos referentes ao valor de carta registrada em anexo.

2.7. – Os artistas e/ou grupos receberão a confirmação de suas inscrições somente via e-mail.

2.8. – Os artistas e/ou curadores poderão inscrever até 3 (três) trabalhos ou projetos que se adeqüem aos espaços museais do SIM, conforme plantas disponíveis no regulamento, sendo que a comissão decidirá qual trabalho será exposto.

2.9. – Os artistas e/ou curadores deverão apresentar suas propostas especificando o espaço que pretendem utilizar (Laboratório das Artes e Sala Gratuliano Bibas do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas,Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra,Sala Manoel Pastana do Museu do Estado do Pará).

2.10. – Para os espaços: Sala Gratuliano Bibas, Galeria Fidanza,Sala Manoel Pastana,não serão aceitos projetos que visem a mudança da cor de suas paredes fixas através do uso de tintas PVA e acrílica, devido as mesmas serem recobertas com tintas especiais visando a preservação da integridade física de suas estruturas. Ficando permitido para os referidos espaços, somente a alteração de cor das divisórias móveis e dos painéis existentes nos mesmos. E qualquer alteração de cor das divisórias e dos painéis o artista ou curador, ao término da exposição, se responsabiliza em devolver a cor original dos painéis. Ressalta-se que o Laboratório das Artes, por seu caráter experimental, permite a alteração de cor de suas paredes fixas. 2.11. – O SIM, através do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas rejeitará as inscrições que não estejam de acordo com os termos deste edital, cuja inscrição implica na automática e plena concordância das normas estabelecidas no mesmo.

2.12. – Os artistas e/ou curadores poderão obter o edital e regulamento com as distintas especificações dos espaços e suas respectivas plantas através do e-mail onzejanelas@gmail.com .

3. DA SELEÇÃO:

3.1. – A seleção dos trabalhos será feita pelo exame de dossiê, em etapa única, por comissão composta por 3 (três) membros, a serem escolhidos pelo Secretário de Estado de Cultura.

3.2. A Comissão se reunirá no Espaço Cultural Casa da Onze Janelas/SIM quando será lavrada a ata da sessão, sendo soberanas as suas decisões de mérito, não cabendo recurso;

3.3. – Caberá à Comissão de Seleção definir o número de exposições em cada espaço conforme o calendário de pautas do regulamento.

3.4. – O dossiê deve obedecer às seguintes especificações: a) – conter fotos, coloridas ou PB ou CDs, ou DVDs, em conjunto com as propostas de desenvolvimento do trabalho. Os artistas e/ou curadores poderão também enviar croquis, plantas impressas, CD, DVD, memoriais descritivos que melhor julgarem para entendimento de suas propostas; b) – indicar em todas as fotos, no verso, o nome do autor e a indicação das medidas das obras. Os CD, DVD e todo o material devem também estar devidamente identificados; c) – o dossiê deve permitir entendimento claro das propostas apresentadas, por meio de texto com especificações de manuseio e montagem; d) – fornecer dados curriculares, restritos a sua formação artística e as suas atividades culturais, com nome e endereço completo, telefone e e-mail; e) – apresentar uma relação com as informações: autor, título, data, técnica ou materiais utilizados, dimensões (medida máxima na vertical x medida máxima na horizontal x profundidade) e outros dados julgados necessários pelo artista ou curador;

3.5 – Todos os artistas e/ou curadores selecionados terão direito a serviços de montagem, convite, coquetel e divulgação da

exposição;

3.6. – A seleção somente será feita por meio das fotos, projetos, CD e DVD, não sendo aceitas obras originais ou maquetes para esta finalidade.

3.7. – Todos os artistas e/ou curadores selecionados serão comunicados logo após a seleção das obras, por e-mail ou telefone e através da publicação no Diário Oficial do Estado.

3.8. – Os dossiês dos artistas e/ou curadores selecionados ficarão sob a guarda do SIM/Espaço Cultural Casa das Onze Janelas.

3.9. – Os artistas e/ou curadores não selecionados deverão receber os projetos pelos Correios, desde que mandem o envelope para devolução com os selos referentes ao valor de carta registrada, anexados separadamente (sem colar). Caso contrário, os dossiês serão mantidos pelo SIM até seis meses após a data de início das inscrições, não se responsabilizando pelos mesmos após este prazo.

4. DAS EXPOSIÇÕES 

4.1. – Caberá ao SIM, de comum acordo com os artistas e/ou curadores selecionados em conjunto com a direção dos espaços museais envolvidos, o plano de execução da montagem das exposições, assim como a adequação do número de obras por artista e/ou grupo e sua disposição nos espaços expositivos (Laboratório das Artes e Sala Gratuliano Bibas do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas ,Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra,Sala Manoel Pastana do Museu do Estado do Pará);

4.2. – As dimensões dos trabalhos deverão levar em conta as proporções dos referidos espaços acima citados. Plantas disponíveis no regulamento impresso e através do e-mail onzejanelas@gmail.com. Os artistas poderão também visitar o espaços museais.

5. DO CALENDÁRIO DE EXPOSIÇÕES 

ESPAÇO CULTURAL CASA DAS ONZE JANELAS Laboratório das Artes

␣ ␣ ␣ ␣ Sala Gratuliano Bibas

12 de setembro a 14 de outubro de 2012

11 de dezembro de 2012 a 13 de janeiro de 2013

05 de fevereiro a 10 de março de 2013

19 de março a 21 de abril de 2013

␣ ␣ ␣ ␣ MUSEU HISTÓRICO DO ESTADO DO PARÁ Sala Manoel Pastana

12 de setembro a 14 de outubro de 2012

11 de dezembro de 2012 a 13 de janeiro de 2013

05 de fevereiro a 10 de março de 2013

19 de março a 21 de abril de 2013

␣ ␣ ␣ ␣ MUSEU DE ARTE SACRA Sala Augusto Fidanza

07 de agosto a 02 de setembro de 2012

06 de setembro a 01 de outubro de 2012

08 de janeiro a 10 de fevereiro de 2013

19 de fevereiro a 24 de março de 2013

␣ ␣ ␣ ␣

6. DO TRANSPORTE 

6.1. –Os trabalhos selecionados deverão chegar ao espaço da exposição com 7 (sete) dias antes da abertura da mesma.

02 de agosto a 02 de setembro de 2012 06 de novembro a 02 de dezembro de 2012 10 de janeiro a 03 de fevereiro de 2013 21 de fevereiro a 24 de março de 2013

6.2. –Os artistas e/ou curadores selecionados deverão retirar seus trabalhos até 05 (cinco) dias após o término da exposição. A não observância deste prazo permitirá ao SIM adotar as providências que melhor lhe aprouver.

6.3. – Os artistas e/ou curadores, que utilizarem transportadora para entrega das obras, deverão apresentar comprovante de contrato da transportadora para a sua devolução após o término da exposição.

6.4. -O SIM não se responsabilizará por eventuais extravios ou danos causados a obra durante o percurso do transporte, cabendo ao artista e/ou curador providenciar o seguro, se for de seu interesse.

7. DA MONTAGEM 

7.1. –Caberá ao SIM a montagem em comum acordo com o artista e/ou curador selecionado, obedecendo ao detalhamento, a ser enviado juntamente com a documentação, o conceito de montagem e o local onde serão apresentados os trabalhos. 7.2. -A montagem será feita com a supervisão e apoio da equipe do SIM juntamente com os artistas e/ou curadores. As obras que não se enquadrarem nos suportes tradicionais serão montadas de acordo com os projetos enviados pelos artistas e/ ou curadores. Trabalhos que exijam instalações e montagens especiais só serão exibidos de acordo com a disponibilidade técnica dos locais ou com instalações e montagens fornecidas pelo artista e/ou curador. 7.3.– Equipamentos especiais necessários à apresentação deverão ser fornecidos pelos artista e/ou curadores.

8. DAS OBRIGAÇÕES DOS ARTISTAS 

8.1. -Cabe aos artistas e/ou curadores selecionados: a) – assinar o Termo de Compromisso da exposição da qual participa; b) – comunicar, por escrito, eventuais mudanças de endereço ao SIM/Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, além de fornecer e-mail atualizado;

c) – entregar, nos prazos estipulados pelo SIM logo após a seleção, o material destinado à produção das peças gráficas (convites) e divulgação, como fotos coloridas ou PB, que garantam melhor reprodutibilidade, com as especificações das fotos que serão destinadas ao convite e a divulgação, acompanhadas de ficha técnica completa (nome, título, técnica, dimensões, ano), currículo resumido, e texto sobre o trabalho que será apresentado;

d) – autorizar por escrito a reprodução do material destinado à produção da peça gráfica para divulgação e promoção do projeto em todo e qualquer veículo de comunicação, bem como autorizar a veiculação de imagens das obras expostas e textos via Internet;

e) – enviar, para as exposições coletivas e/ou individuais, os trabalhos apresentados no dossiê que foram indicados pela Comissão de Seleção, não sendo permitido substituí-los por obras com características diferentes;

f) – pagar as despesas de molduras, embalagem e transporte das obras (ida e volta) e fornecer equipamentos especiais (TV, DVD, datashow, projetores e outros); g) – cumprir os prazos estipulados para a entrega das obras; h) – não retirar seus trabalhos antes do encerramento do evento; i) – usar o recurso do looping, no caso de exibição de DVD, a não ser que a proposta do artista exija forma de apresentação especial e esteja justificada no encaminhamento do projeto.

j) – se responsabilizar por todos os custos, encargos e operacionalização de possível execução do projeto. 8.2. – A inscrição efetuada implica a plena aceitação de todas as condições nos termos deste edital.

9. DAS OBRIGAÇÕES DA SECULT/SIM 

9.1. – Obriga-se o SIM: a) – devolver com frete a pagar as obras dos artistas selecionados residentes fora de Belém, nas mesmas condições de recebimento, ou seja, devidamente identificadas e adequadamente embaladas; b) – imprimir os convites para as exposições no formato cartão postal e em policromia; c) – fornecer o coquetel para as exposições; e) – fornecer serviço de montagem; f) – divulgar as exposições; f) – garantir a segurança das obras durante o período da exposição;

10. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 10.1.- As decisões finais da Comissão de Seleção são irretra- táveis e irrevogáveis. 10..2Os casos omissos e controversos serão resolvidos pelo Secretário de Estado de Cultura.

Belém, 20 de Março de 2012.

PAULO CHAVES FERNANDES 

Secretário de Estado de Cultura

FONTE: IOEPA

MHEP e Onze Janelas citados em matéria no “O Globo”

Hélio Oiticica – Museu é o Mundo / Salão Transversal do MHEP

Museus distantes do Rio e de São Paulo se destacam por parcerias e boa programação

(…)

Eleita a melhor exposição de 2010 pela Associação Brasileira de Críticos de Arte, “Hélio Oiticica – Museu é o mundo” (foto) está atualmente em cartaz em seis instituições culturais de Belém, cidade com uma cena de arte contemporânea em ascensão, com artistas reconhecidos e premiados, como Armando Queiroz, Emmanuel Nassar e Marcone Moreira. Além de obras célebres de Oiticica, como o penetrável “Tropicália”, o edifício do século XVIII do Museu Histórico do Estado do Pará expõe até 15 de maio fotografias modernistas brasileiras da Coleção Itaú, que já passaram por Porto Alegre e Belo Horizonte, com imagens de Geraldo de Barros, Thomaz Farkas e German Lorca – além de duas fotos vintage de José Yalenti, adquiridas pelo museu.

Moderna pra Sempre, na Sala Antonio Parreiras do Mhep

Outra instituição paraense que se destaca pela atenção à arte contemporânea brasileira é a Casa das Onze Janelas, que, instalada numa casa do século XVIII, com um jardim de esculturas, começa a montar seu próprio acervo.

Traços e Transições da Arte Contemporânea Brasileira, na Sala Rui Meira no Museu Casa das Onze Janelas

Fonte : O Globo

Curso “Arte Contemporânea Brasileira (em torno de novas histórias)” com Armando Queiroz – 01,02 e 03 de Dezembro – Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas

 

CURSO ARTE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA [ em torno de novas histórias] com Armando Queiroz – o projeto “em torno de novas histórias- leituras de um acervo”, visa apresentar,sob forma de cursos de curta duração, uma leitura da arte brasileira dos últimos 50 anos. Sua originalidade reside no modo como tais cursos se articulam e no seu processo de organização: cinco curadores emergentes formam um grupo de pesquisa dedicado ao estudo das coleções MAC-Niterói e João Sattamini ( ambas abrigadas no Museu de Arte Contemporânea de Niterói)

Dias 01,02 e 03 de dezembro, de 18h às 21h no Museu Casa das Onze Janelas.

Entrada franca.

 

ARMANDO QUEIROZ

Sua formação artística foi constituindo-se através de leituras,experimentações, participações em oficinas e seminários. Expõe desde 1993 e participou de diversas mostras coletivas e individuais no Brasil e no exterior. Integrou projetos como: Macunaíma, em 1997, no Rio de Janeiro e Prima Obra, em Brasília, em 2000. Foi bolsista do Instituto de Artes do Pará em 2008 quando
desenvolveu a bolsa de pesquisa Corpo toma Corpo – estudos em videoarte.

Sua produção artística abrange desde objetos diminutos até obras em grande escala e intervenções urbanas. Detém-se conceitualmente às questões sociais, políticas, patrimoniais e as questões relacionadas à arte e a vida. Cria a partir de observações do cotidiano das ruas, apropria-se de objetos populares de várias procedências, tem como referência a cidade. Foi contemplado com o Prêmio CNI SESI MarcantonioVilaça para as Artes Plásticas 2009-2010.

“re.van.che” de Laerte Ramos – Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas [Prêmio SECULT de Artes Visuais]

RE.VAN.CHE

Trabalhando com as interrelações, o artista apresenta um resultado de grande potência em seu projeto “re.van.che” que para a sua realização, Laerte Ramos convida uma lutadora de Tae Kwon Do – Marryanne Hörman, atleta da seleção brasileira de TKD, para quebrar uma de suas esculturas hiper realistas de cerâmica em uma ação/fração na abertura de sua individual na Casa das Onze Janelas. As esculturas enganosas são cópias perfeitas de luvas de boxe, banco de corner, entre outros acessórios de lutadores elaborados por ora em cerâmica, são denunciados pelo ato/quebra que a lutadora proporciona via ação ao público.

Laerte Ramos
1978, vive e trabalha em São Paulo

Graduação: Bacharel em Artes Plásticas 1997/2001
Licenciatura em Artes Plásticas 1997/2002
Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP

>> Bio

Laerte é natural de São Paulo/SP e teve seus primeiros ensinamentos artísticos  sobre esculturas em argila, madeira, pedra e metal durante os anos escolares, em sua infância e adolescência, na Escola Waldorf Rudolf Steiner entre os anos de 1985 à 1996. Na época seus grandes mestres eram refugiados de guerra vindos da Suíça e Alemanha, contando com a influência de uma educação germânica “pós guerra” e “alternativa”, o assunto bélico esteve sempre presente em todo o aprendizado lúdico-infantil de Laerte, o que influência até hoje toda a sua produção.

Ao ingressar na FAAP – Fundação Armando Alvares Penteado no curso de Artes Plásticas em 1997 (1997/2001 bacharel e 2002 licenciatura), interessou-se de imediato pelos meios reprodutivos de imagem como a xilogravura e a serigrafia. No início de sua trajetória, Laerte deu ênfase na produção de suas xilogravuras que contavam com um arsenal de maquinários sobre-rodas estampados de negro em folhas brancas contrastantes. Estas imagens iam se multiplicando através do artista-operário até conquistarem outras folhas, paredes, campos, paisagens e espaços expositivos. Desde cedo, a preocupação em espalhar as edições das gravuras em exposições pelo país de uma maneira democrática, foi uma regra constante na intensa produção das gravuras. Nesta época, sem os avanços tecnológicos de comunicação via internet, Laerte pesquisava nas bibliotecas os endereços e editais de museus e centros de artes para poder divulgar seus trabalhos, e ao mesmo tempo compartilhar cultura e aprender com outros artistas de regiões distintas sobre as poéticas artísticas que nosso país nos propicia. Com a produção de xilogravura, ganhou o “Prêmio Don Alvar Nuñes Cabeza de Vaca” na XII Mostra Brasil de Gravura no Museu de Gravura de Curitiba/PR, e nos anos seguintes, o extinto Prêmio Philips de Arte para Jovens Talentos por duas vezes, e o importante prêmio na mostra trienal de gravura Lelocleprints04, no Museé dês Beaux-Arts du Le Locle, Suíça.

Com a oportunidade de participar das residências artísticas, Laerte ingressou na lista de artistas residentes da FAAP e morou por seis meses na Cité dês Arts em Paris, e em seguida fez outra residência na iaab/Beyeler Foundation em Basel/Suíça. A convite, participou do Brazilie Landenproject que consistiu em uma residência em um dos mais renomados Centros de Cerâmica, o EKWC/European Keramic Work Centre em s’Hertogenbosch na Holanda. Nesta última residência, Laerte teve a oportunidade de expandir e aprimorar seus projetos tridimensionais, que tinham como raiz-mãe a xilogravura, que através do paralelo entre a reprodutibilidade e “tridimensionalidade chapada” que haviam em suas gravuras, as quais eram representadas bidimensionalmente em papel estampado, assim ocorreu o encontro com a cerâmica devido a maneira de reprodução via molde que esta técnica permite.

Dentro de suas pesquisas sobre reprodutibilidade, a estamparia naturalmente se tornou constante, assim a roupa e a performance tornaram-se também metier dos trabalhos de Laerte devido a sua experiência pessoal com suas duas marcas de roupa “Miya” e “ramOrama”, das quais era sócio e participava ativamente das produções das roupas. Mais uma vez cortar tecido, enfestar, modelar em papel, imprimir em silkscreen, desenvolver desenhos técnicos e produzir em série eram ações constantes nas produções das marcas, experiência vivenciada com semelhância entre os fazeres de moda e os fazeres da arte, no caso: cortar madeira, usar a matriz de xilogravura, o papel e a impressão. Entendendo o ganho de misturar/adicionar moda e arte, Laerte começou a se interessar pelo cruzamento e adição de moda/design/arquitetura/esporte entre outros em seus trabalhos e projetos.

Pensando o lugar/arquitetura, o projeto “Jambolhão” (premiado pelo 11˚ CIF – Cultura Inglesa Festival), ganha o espaço tridimensional “agigantado” trazendo a oportunidade dos espectadores poderem usar a escultura vermelha em fiberglass para subir, sentar, brincar, trazendo o corpo do espectador para a obra. Dando continuidade aos projetos interativos, a instalação “Batalha Naval” conta com dois extensos campos de batalha com duas cabines entre um espaço e outro, onde haviam telefones vermelhos para os espectadores se comunicarem e jogarem a Batalha Naval, que por sua vez se moviam conforme as jogadas dos adversários.

Recentemente, o artista foi contemplado com o Prêmio Interações Estéticas/Funarte em Marabá/PA onde realizou o projeto “retra%15″que conta com a reprodução do corpo humano moldado em gesso na escala 1:1, e destes moldes são confeccionadas esculturas em cerâmica esmaltada branca que são divididas em 16 partes e unidas com rejunte de azulejo nas juntas dos corpos humanos reproduzidos. Ao mesmo tempo, projetos como “Territórioland”“Lastlândia”“Spy Vs Spy”, “Transpherâmica”, “Sneakers & Tees”“Arma Branca” estão em desenvolvimento aguardando ainda um espaço nas próximas fornadas de Laerte Ramos.

Atualmente vive e trabalha no recém inaugurado atelier “casamata/Studium Generale” na região do Pacaembú em São Paulo/SP com sua família e dois cachoros.

>> Exposições Individuais/Solo Exhibitions:
2011
Gravura Brasileira, São Paulo, SP.
2010

Arma Branca – Galpão Baró/EmmaThomas, São Paulo, SP.
retra%15 – Prêmio Interações Estéticas Funarte 2009 – GAM/Galpão das Artes de Marabá, PA.
Re.van.che – Casa das Onze Janelas, Belém, PA.
2009
Re.van.che – Paço das Artes, São Paulo, SP.
2008
Territórioland – Laura Marsiaj, Rio de Janeiro, RJ.
(P&B) – Palácio das Artes/Fundação Clóvis Salgado – Belo Horizonte, MG.
Territórioland – Centro Universitário Maria Antônia – São Paulo, SP.
Acesso Negado Vs Acesso Negrado – Prêmio Projeteis/Funarte, RJ.
Casa na Cidade – Campinas, SP.
1 x 1- Metrô São Bento/Boom SP design – São Paulo, SP.
Exquadrilha – FCC/Fundação Cultural de Criciúma, Criciúma, SC.
2006
Solda – Museu de Arte da Pampulha, MG.
c.a.s.a – Centro Cultural Banco do Nordeste, Fortaleza, CE.
Jambolhão – Galeria do Centro Brasileiro Britânico, São Paulo, SP.
2005
Galeria Homero Massena, Vitória, ES.
2004
Acesso Negado, Casa Triângulo, São Paulo, SP.
2003
Casa Triângulo, São Paulo, SP.
Casa de Cultura da América Latina – Brasília, DF.
Galeria Vicente do Rego Monteiro, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, PE.
Museu de Arte de Ribeirão Preto – Unidade Centro de Convenções, SP.
2001
Cité Internationale des Arts – Paris, França.
Casa Solar do Barão, Museu da Gravura de Curitiba, PR.
3° Fluxo – Banco Central do Brasil, São Paulo, SP.
Espaço Cultural CEMIG, Belo Horizonte, MG.
Projeto Artes Visuais 2001 – Centro Cultural São Francisco, João Pessoa, PB.
2000
Centro Cultural São Paulo, SP.
Câmara de Cultura Antonini Assumpção, São Bernardo do Campo, SP.
Ambiente Urbano, Sala Celso Garcia Cid, Universidade Estadual de Londrina, PR.


Exposição “O percurso do olhar” de LUIZ BRAGA – Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas

O fotógrafo Luiz Braga, foi contemplado em 2009, com o Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça/FUNARTE, que propiciou a destinação da série premiada “Verde-Noite, 11 raios na estrada nova, fotografia, nigthvision” , composta de obras inéditas não pertencentes a nenhum acervo público, ao acervo do Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas/SIM/Secult, juntamente com obras referentes a “visualidade popular”, obras em P&B e demais outros trabalhos de autoria do artista.  Ação que possibilitou a considerável ampliação do pequeno acervo de obras do autor já pertencentes ao museu, vindo a concretizar a formação da primeira Coleção de fotografias específicas do artista em uma instituição museológica da região norte.

Para apresentação da referida Coleção ,o Museu Casa das Onze Janelas e Luiz Braga , realizam a exposição LUIZ BRAGA o percurso do olhar, com abertura no próximo dia 18 de agosto às 19:30h.  A mostra é uma oportunidade para que o público local, possa acompanhar a trajetória deste importante fotógrafo paraense que integra já há alguns anos, a história da arte produzida no Brasil. O artista não expõe individualmente em Belém desde o ano de 2005, quando realizou a grande mostra de sua produção no projeto “Arraial da Luz. Sendo também, a presente mostra, sua primeira exposição em nossa capital, depois da participação na 56ª Bienal de Veneza,como um dos dois representantes brasileiros na tradicional mostra internacional de arte.

Na exposição LUIZ BRAGA o percurso do olhar, serão apresentadas um total de 50 fotografias que compõem a recente coleção formada pelo Museu Casa das Onze Janelas. Desta forma, a referida coleção da instituição museológica paraense, se iguala em quantidade e potência à coleção do Museu de Arte Moderna de São Paulo, e equipara-se à instituições brasileiras e internacionais que possuem em seus acervos , coleções públicas de trabalhos emblemáticos da trajetória do artista, como a Pinacoteca do Estado de São Paulo, o Museu de Arte Moderna da Bahia,  Museu de Arte Contemporânea – MAC/USP, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Museu de Arte da Pampulha(MG), Museu de Arte Assis Chateaubriand -MASP,Coleção Pirelli/ Masp de Fotografia, Coleção Porte Seguro de Fotografia, Casa de Cultura Laura Alvim (RJ), Fundação Rômulo Maiorana, Centre Culturel Les Chiroux,Bélgica, Centro Portugês de Fotografia, Porto, Portugal , Photographic Resource Center at Boston University,Boston,EUA e  do Miami Art Museum.


SERVIÇO:

Exposição: LUIZ BRAGA o percurso do olharAbertura : 18 de agosto de 2010 às 19:30hPeríodo : 19 de agosto a 03 de outubro de 2010Horário: de terça a domingo de 10h às 16h. Feriados: de 9h às 16h

Programação paralela : Conversa com o artista com a participação da crítica de arte convidada Marisa Mokarzel   –  17 de setembro às 19h

Local: Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas, Praça Frei Caetano Brandão s/nº- Cidade Velha – Belém/PA

Realização: Secretaria de Estado de Cultura, Sistema Integrado de Museus, Museu Casa das Onze Janelas
Apoio: FUNARTE, Fundação Rômulo Maiorana, Associação Amigos dos Museus do Pará- AMU-PA , SOL Informática e Matapi Produções.

O Museu Casa das Onze Janelas, é um espaço destinado à arte contemporânea, localiza-se em Belém, sendo uma unidade integrante do Sistema Integrado de Museus e Memoriais da Secretaria de Estado de Cultura do Pará. Promove ações museológicas preocupadas com a promoção de intercâmbios culturais, com a difusão do conhecimento da arte e com a inserção do artista em seus espaços expositivos realizando mostras que discutem a arte produzida na contemporaneidade.

Detentor de um expressivo acervo de artes visuais, o museu preocupa-se em trabalhar ações de desvelamento das particularidades de obras e artistas que compõem suas coleções, bem como, em buscar maneiras que propiciem a ampliação e atualização deste acervo, formado por aproximadamente 2.300 obras de arte moderna e contemporânea, entre pinturas, esculturas, gravuras, desenhos, fotografias, construções artísticas e vídeo-arte.
Em consonância à estas ações, o Museu Casa das Onze Janelas/SIM, referendou a proposta apresentada pelo fotógrafo Luiz Braga ao Edital Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça/FUNARTE 2009, que teve como objetivo, incentivar produções artísticas inéditas destinadas ao acervo das instituições museológicas públicas e privadas sem fins lucrativos, fomentando a difusão e a criação das artes visuais no Brasil. Sendo assim, o fotógrafo veio a ser premiado e destinou ao Museu Casa das Onze Janelas a série “Verde-noite – 11 raios na Estrada Nova, Fotografias em Nightvision”, composta de obras inéditas não pertencentes a nenhum acervo público, existindo em particular, na referida série, uma excepcional transgressão na representação do lugar. Recorrendo à tecnologia da nightvision, adaptada à uma técnica toda própria, Luiz Braga mostra claramente a versatilidade da obra de um artista que, tendo participado do processo referente à “visualidade amazônica” , à ela não se enclausurou. Conseguindo desenvolver uma produção que, partindo de referências locais, extrapolaram esse campo, adicionando a ele uma visão mais comprometida com a interpretação pessoal que faz do mundo.

Esta ação de aquisição veio ao encontro do grande interesse da instituição, de incorporar às suas coleções, as obras deste importante artista brasileiro. Acrescentando, que a referida série, foi complementada, por iniciativa de Luiz Braga, pela doação de um conjunto de fotografias da série matricial de sua produção, focada na visualidade popular do Norte do Brasil , de obras em P&B e demais trabalhos de determinadas fases da trajetória do artista. Ação que possibilitou a considerável ampliação do pequeno acervo de obras do autor já pertencentes à instituição, perfazendo um total de 50 fotografias que formaram a importante Coleção Luiz Braga do Museu Casa das Onze Janelas. Obras estas, que reunidas, apresentam um mapa do percurso do olhar de Luís Braga sobre o universo amazônico em tensão com a linguagem fotográfica.
Sendo importante destacar o fato de tratarmos aqui, da singularidade de uma ação que concretiza a formação da primeira Coleção de obras específicas do artista em uma instituição museológica da região norte. Tal Coleção, tornava-se cada dia mais relevante de ser adquirida e estudada, uma vez que esta ação virá proporcionar a possibilidade de se perceber visualmente a trajetória deste importante artista paraense que integra já há alguns anos, a história da arte produzida no Brasil. Pode-se dizer que esta percepção se dará pela diversidade da produção e pela especificidade com que Luiz Braga constitui a sua poética visual. Tratando-se de uma produção extensa e de qualidade, que ao mesmo tempo em que revela traços da região amazônica, não se restringe ao olhar local. Ao contrário, dispõe de códigos universais.

Desta forma, o Museu Casa das Onze Janelas, instituição criada em dezembro de 2002, com objetivo de ser referência da arte moderna e contemporânea do Pará e do Brasil, ciente de sua missão museológica na estrutura atual da Secretaria de Estado de Cultura, que busca promover a valoração, a pesquisa, a preservação e a comunicação do patrimônio cultural brasileiro, vem agradecer de público a iniciativa de Luiz Braga em contemplar esta instituição com valiosas aquisições, e à FUNARTE pela atuante sistematização de realizações de editais de fomento à produção artística e ampliação de acervos públicos, ressaltando que cabe agora ao Museu, a realização de estudos e exibição das rec entes aquisições que resultarão em ações de reflexão e difusão da obra de Luiz Braga. Tendo como objetivo a valorização, o fomento e a difusão das artes visuais paraense e o fortalecimento das ações desenvolvidas pela instituição, que afirmará seu perfil de arena de reflexão, fomento e difusão cultural com ações que trabalham os processos de democratização da arte, inclusão social e cidadania.

Nina Matos

Diretora do Museu Casa das Onze Janelas

O ARTISTA

Luiz Braga nasceu em Belém (PA) em 1956. Iniciou-se na fotografia aos 11 anos, aos 19, montou seu primeiro estúdio, voltado para retratos, publicidade e fotografia de arquitetura. Em 1983 formou-se em arquitetura pela UFPa.Até 1981, desenvolveu trabalhos basicamente em preto e branco. Após essa fase, encanta-se com a cor da visualidade popular da Amazônia, que se transformou no principal alicerce à partir do qual o fotógrafo projeta suas imagens, sendo  o homem e seus rastros impressos nas áreas ribeirinhas de suas cidades, os elementos que determinam a construção de uma fotografia tecida em cores, luzes e signos extraídos de realidades culturais locais sem restringir–se e sem deixar–se aprisionar pelo espaço regional.

 Em 1984 realiza a mostra “No Olho da Rua”, sua primeira exposição em São Paulo e aquela considerada pelo autor como seu primeiro passo na constituição de sua obra.

Conquistou em 1987 o Prêmio Marc Ferrez, conferido pelo Instituto Nacional da Fotografia da Funarte, com o ensaio A Margem do Olhar, no qual retratou em preto e branco a dignidade do cabloco amazônico em seu ambiente. Foi premiado em 1991 com o Leopold Godowsky Color Photography Award, pela Universidade de Boston. Em 1996 obteve a Bolsa Vitae de Artes para realizar o trabalho Amazônia Intimista. Em 2003 foi o artista homenageado no XXI Salão Arte Pará, com sala especial, e recebeu o Prêmio Porto Seguro de Fotografia.


Realizou mais de 120 exposições, entre individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Suas fotografias compõem importantes coleções privadas e públicas como a do Centro Português de Fotografia, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, do Miami Art Museum, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e do Museu de Arte Moderna de São Paulo que, em 2005, publicou o catálogo-livro “Retratos Amazônicos” e  realizou a exposição homônima ao título do livro, em homenagem aos 30 anos de carreira do artista paraense. A comemoração foi realizada também com a grande retrospectiva “Arraial da Luz” montada no espaço do arraial de Nazaré em Belém.

Em 2009, Luiz Braga foi um dos dois representantes brasileiros escolhidos para participar da  53a. Bienal de Veneza.
Em novembro, do mesmo ano, foi contemplado com o Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça/FUNARTE que propiciou a destinação da série premiada “Verde-Noite, 11 raios na estrada nova, fotografia, nigthvision” , ao acervo do Museu Casa das Onze Janelas, juntamente com as demais obras doadas pelo artista.  Ação que possibilitou a considerável ampliação do pequeno acervo de obras do autor já pertencentes ao museu, vindo a concretizar a formação da primeira Coleção de obras específicas do artista em uma instituição museológica da região norte.

Luiz Braga, trabalha como fotógrafo independente, em Belém.

Prêmio Secult de Artes Visuais

prêmio SIM de Artes Visuais 2008 surge em 2009 como novo nome, Prêmio Secult de Artes Visuais, e contemplando apenas 08 projetos, na primeira edição foram 16. A ajuda de custo passou dos R$ 6.500 da edição passada para R$ 9.800, mais exequível para os artistas. A quantidade de contemplados pode ter diminuído mas continua sendo uma das poucas oportuidades para os artistas visuais materializarem suas exposições. No ano de 2008 foram mais de uma exposição por mês, fato inédito e marcante na história das artes no Pará.  Foram 16 propostas artísticas, de um total de 104 inscrições, que proporcionaram ao público experiências visuais e sensoriais múltiplas. Os projetos artísticos premiados pelo Prêmio SIM de Artes Visuais 2008 foram escolhidos pelo júri formado por Marisa Morkazel, Orlando Maneschy e Armando Queiroz , e idealizado e coordenado pela diretora do Museu Casa das Onze janelas, Nina Matos, artista visual e arte-educadora. Os projetos foram montados em diversas salas expositivas do SIM, no MHEP, Sala Antonio Parreiras e Sala Manoel Pastana e Salão Transversal; Onze Janelas, Laboratório das Artes, Sala Gratuliano Bibas e Sala Valdir Sarubbi; e Galeria Fidanza no Museu de Arte Sacra. Foram contemplados 11 projetos locais e 5 de outros estados, recebendo R$ 6.500,00 para custos relativos a realização da exposição e a infra-estrutura de montagem e divulgação por conta da Secult. Vamos comentar aqui todas as exposições do Prêmio SIM de Artes Visuais e, se possível, entrevistas com os artistas e da comissão de seleção do prêmio.

Esses foram os projetos contemplados em 2008:

Projetos Paraenses
“Retrospectiva 20 anos” de Jair Junior

“Alma” – Margalho Açu

“Espaços Autônomos” – Bruno Cantuária e Ricardo Macedo

“Ifigênia na sala dos passos perdidos” – Maria Christina

“Marca texto urbano” – Ingrid Táskya, Edilene Pamplona, Amanda Jhones

“Corporaturas” – João Cirilo, Éder Oliveira, Flávio Araújo, Milton Ribeiro e Werley Souza

“Finisterra” – Mariano Klautal

“Cidade Rede” – Val Sampaio

“Vazio” – Berna Reale

“Onde as Borboletas não voam” – Daniele Valente, Vitor Souza Lima e Melissa Barbery

“Cidades Vulneráveis” – Carla Evanovitch

Projetos de outros Estados:
“Plus Ultra” – Oriana Duarte – SP

“Janelas Para o Mundo” – proponente Álvaro Seixas /curadoria Marisa Florido Cesar – RJ

“O Silêncio do Martelo” – Fabrício Carvalho – MG

“Estado-escuta/estado-cegueira” – Raquel Stolf – SC

“Exposição Portátil Coleção” – Regina Mellim – SC

Para os artistas interessados segue o pdf com o edital completo para a inscrição de projetos para o Prêmio Secult de Artes Visuais 2009,

é só clicar na logo e baixar.

Logo Premio Secult