Exposição “Coletiva Coletivos – Mostra de Gravuras” – Projeto Entre Conversas

O Museu Casa das 11 Janelas, a Galeria Theodoro Braga e o Atelier do Porto promovem um amplo circuito de exposições e debates sobre a gravura contemporânea brasileira, a partir da produção local e de diversos coletivos que atuam em São Paulo. A parceria reflete a posição madura de artistas, curadores e gestores em compreender que instâncias de natureza pública e movimentos independentes podem atuar lado a lado. Coletiva/Coletivos surpreende pela beleza e diversidade, além de proporcionar um quadro vivo e dinâmico do movimento da gravura, hoje, no Brasil.

Por Armando Sobral

Exposição “Poesia Gravada” de Oswaldo Goeldi, MUFPA

As mais importantes obras de Oswaldo Goeldi (1895-1961), considerado um dos mais representativos nomes brasileiros da gravura em madeira, chegam a Belém para uma exposição inédita, patrocinada pela Vale. Os 50 anos da morte do gravador, desenhista, ilustrador e professor serão relembrados em “Oswaldo Goeldi: poesia gravada”, no Museu da Universidade Federal do Pará (UFPA), de 13 de dezembro a 19 de fevereiro, por meio de gravuras, painéis, objetos, desenhos e livros. A curadoria é de Lani Goeldi, sobrinha-neta do artista e presidente do Projeto Goeldi.

Os visitantes terão a oportunidade de ver 59 gravuras originais (sendo 35 da Pinacoteca do Estado de São Paulo), assinadas pelo artista entre 1927 e 1960, além de desenhos, painéis, objetos, livros ilustrados e um vídeo inédito, especialmente feito para essa exposição. Entre as xilogravuras, estão “Chuva” (cerca de 1957), a mais famosa xilogravura do artista e que encabeça um lista formada por obras como “Auto-retrato” (cerca de 1950), “Tarde” (1950),  “Arraia” (1955) e “O ladrão” (cerca de 1955). “Nesta mostra, será possível observar todas as fases do artista, desde os desenhos até as gravuras em preto-e-branco e coloridas”, explica a curadora Lani Goeldi.

A mostra representa a continuidade das comemorações do cinquentenário do falecimento de Goeldi (1895-1961), que encerrou sua carreira na cidade do Rio de Janeiro. “Ações como essa, encabeçada pelo Projeto Goeldi e patrocinadas pela Vale, têm procurado atingir o maior numero de público possível, difundindo o trabalho desse artista e sua história de vida, aproximando a grandiosidade de sua obra às pessoas que se interessam por cultura”, explica Lani.

Segundo a diretora do Museu da Universidade Federal do Pará, Jussara da Silveira Derenji, é uma honra e prazer enormes abrigar essa exposição, considerando que serão mostrados, além de gravuras, documentos, textos e recortes do artista, os aspectos íntimos e pessoais da personalidade de Goeldi. “Será essa uma oportunidade rara de reaproximação com as obras dele, que viveu sua infância em Belém. Vamos mostrar, de forma abrangente, um trabalho de uma tocante poesia”.

Para José Fernando Gomes, gerente geral de Relações Institucionais da Vale no Pará, uma das principais ações da empresa é a valorização da cultura e das comunidades onde ela atua. “A arte é uma das expressões mais fortes do nosso País”, diz. “Por isso, é muito importante para a Vale patrocinar uma exposição tão especial e poética como esta”.

SERVIÇO:
Exposição “Oswaldo Goeldi: Poesia Gravada”
Abertura para convidados e imprensa: 13 de dezembro (terça-feira), às 19h

Visitação:
 14 de dezembro a 19 de fevereiro
Horário: 9h às 17h (terça a sexta-feira) e 10h às 14h (sábados e domingos), exceto feriados
Local: Museu da Universidade Federal do Pará (UFPA) – Av. Gov. José Malcher, 1192 – Nazaré
Visitas de grupos e escolas: (91) 3242-8340, das 9h às 12h com Julia ou Nilma.
Classificação: livre
Informações: (91) 3224-0874 ou pelo site www.ufpa.br/museufpa/
ENTRADA FRANCA

Fonte: MUFPA

Exposição “Grafias” – Espaço Cultural Banco da Amazônia

Site do artista Armando Sobral

Visitem armandosobral.wordpress.com e conheçam a obra deste artista plástico, curador e pesquisador da arte.  Um canal de comunicação do artista com a sociecidade é sempre importante pra desmistificar e multiplicar o fazer artístico. Armando já formou uma geração de gravuristas em Belém e tem projetos importantes também de formação de jovens em múltiplas linguagens através do IAP onde é Gerente de Artes Visuais.