Oficinas Curadoria e Contexto – Fórum Permanente no Centro Cultural da Espanha em São Paulo

O programa de oficinas Curadoria e contexto acontece entre março e novembro de 2011, dando continuidade ao projeto Experiências dialógicas (2008-2010) e às oficinas de curadoria organizadas pelo Fórum Permanente no Centro Cultural da Espanha em São Paulo nos anos anteriores. Formado por quatro oficinas intensivas, com duração de cinco dias cada, a cada encontro será abordado o exercício da curadoria em relação a outras práticas: Curadoria e gestão/produçãoCuradoria e deslocamentosCuradoria e mediação; e Curadoria e as tecnologias de acesso e memória cultural. Ao término do programa, serão organizadas sessões abertas ao público em geral, com transmissão online simultânea pelo Fórum Permanente

 

Realização: Centro Cultural da Espanha em São Paulo e Fórum Permanente

 

PRIMEIRA OFICINA

Curadoria e gestão/produção

Convidados: Gustavo Wanderley (Casa da Ribeira) e Maria Ignez Mantovani (Expomus)
Mediação: Ana Letícia Fialho, pelo Fórum Permanente

Faz parte do trabalho curatorial a reflexão sobre a gestão e análise da viabilidade orçamentária do projeto a ser realizado, como também a familiaridade com o contexto cultural, econômico e mercadológico onde está inserido o projeto, aí incluídos as instituições envolvidas e os potenciais apoiadores/patrocinadores do projeto. Nesta oficina serão discutidos exemplos de negociação/articulação entre o projeto curatorial conceitual e sua viabilidade gerencial e orçamentária, uma vez que delas dependem o impacto social, os desdobramentos, a circulação e distribuição que o projeto venha a ter.
Data 28 mar a 1 abr | Horário 2a, 3a, 4a e 6a feira das 18h às 22h e atividade pública na 5a feira, entre 19h30 e 22h30 | Local CCE_SP. Av Angélica, 1091 – Higienópolis, São Paulo SP | Vagas até 15 | Inscrições e processo de seleção enviar carta de intenção (até 500 caracteres), mini-CV (até 500 caracteres) e a síntese de um projeto curatorial (já realizado ou que só exista como projeto) articulado com o tema da oficina (até duas páginas A4, incluindo imagens) para curadoria@forumpermanente.org até 18 de março de 2011.
+ informações
curadoria@forumpermanente.org

Fonte: Fórum Permanente

 

 

 

Memória das Exposições da Galeria Theodoro Braga no Facebook

É só clicar na imagem abaixo e conhecer essa interessante iniciativa da equipe da GTB, um exemplo de compartilhamento de memória institucional. Seria bom se todos od museus e espaços culturais fizessem o mesmo, ótimo para pesquisadores e estudantes, e facilitaria em muito para as divulgações e para o portfólio dos artistas. Gostei.

Exposição “Pedra & Alma: 30 anos do IPHAN no Pará” – Canto do Patrimônio (IPHAN)

Para comemorar os 30 anos do IPHAN no Pará, será lançada no dia 13 de dezembro, segunda-feira, a exposição ‘Pedra & Alma’.
A mostra traz uma reconstituição da trajetória da instituição no Pará, em paralelo com os acontecimentos nacionais e internacionais relacionados à preservação do patrimônio cultural. Homenageia intelectuais que, no plano local e nacional, contribuíram com essa construção, mas também cidadãos brasileiros que nas suas práticas cotidianas contribuem para a preservação de práticas culturais tradicionais que são transmitidas de geração em geração e integram o patrimônio cultural constituindo referenciais de memória e identidade para diversos grupos sociais.
A exposição se divide em três ambientes – Caminhos da Memória, do Tempo e do Patrimônio. A trajetória do Iphan no Pará é apresentada a partir da prática institucional de forma associada aos conceitos, instrumentos metodológicos e jurídicos utilizados ao longo do tempo na identificação, promoção e preservação do patrimônio cultural brasileiro.
O evento acontecerá no Canto do Patrimônio (IPHAN), em Belém. A mostra segue aberta à visitação até fevereiro/março de 2011, com trabalho de visitas orientadas. Interessados em agendar visitas em grupo devem encaminhar e-mail para 30anosiphan@gmail.com (agendamento será realizado com no mínimo 24 horas de antecedência).
Serviço: Exposição ‘Pedra & Alma’, de 13 de dezembro de 2010 a março de 2011, no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), na Av. Governador José Malcher 563, Nazaré – esquina com a Trav. Rui Barbosa.

Museu de Arte Sacra do Pará

O Museu de Arte Sacra (MAS), localizado no Antigo Palácio Episcopal, foi inaugurado em 28 de setembro de 1998. Integrada ao Museu está a Igreja de Santo Alexandre (originalmente Igreja de São Francisco Xavier), construída pelos padres jesuítas com participação do trabalho indígena entre o fim do século XVII e início do século XVIII. Dentre as várias modificações arquitetônicas e decorativas que sofreu, a Igreja herdou como estilo predominante o barroco e foi inaugurada em 21 de março de 1719. Com mais de 400 peças, o acervo do Museu é composto de imagens e objetos sacros dos séculos XVIII ao XX. As coleções, a princípio constituídas pelas peças da própria Igreja de Santo Alexandre, foram depois enriquecidas com peças provenientes de outras igrejas do Pará e de coleções particulares.

                              

Do antigo Colégio Jesuítico a sede do Museu

 Ao chegarem ao Pará, os jesuítas estabeleceram-se primeiramente em terreno cedido pela Ordem das Mercês, no bairro da Campina, no qual construíram residência e pequena capela, ambas cobertas de palha. Em razão da precariedade daquele terreno, transferiram-se no mesmo ano para área vizinha ao Forte do Presépio, iniciando a construção do Colégio, sob a invocação de Santo Alexandre, e da Igreja de São Francisco Xavier.  Com a definitiva expulsão dos jesuítas por ordem de Marquês de Pombal, em 1759, o Colégio foi utilizado como residência dos Bispos e Seminário Episcopal por longo tempo. 

 Atualmente o prédio expõe em seu pavimento superior o acervo de telas, imaginária sacra e objetos litúrgicos. Na sala inicial, juntamente com a exposição da Pietá, consta um breve histórico das Ordens Religiosas presentes em Belém. Nos demais ambientes destacam-se a tela Santa Ceia, óleo sobre madeira, provavelmente do final do século XVIII (corredor); a imagem de Santa Quitéria (sala à direita) e ainda diversas representações de Cristo. A grande coleção de imaginária sacra ainda permite leituras iconográficas de santos como São José de Botas e Nossa Senhora do Leite (sala à esquerda). Ao final do corredor, integrando o acervo de objetos sacros do MAS, estão expostos um oratório, lanternas e crucifixos. A sala da prataria, com peças de predominância portuguesa, destaca-se sob a luz tênue, pensada para destacar os detalhes das peças, de acordo com a proposta museográfica.

 A Igreja de Santo Alexandre

Inicialmente erigida sob o orago de São Francisco Xavier, a Igreja foi construída pelos padres jesuítas entre os séculos XVII e XVIII.  Apresenta nave única em forma de cruz latina, na qual se encontra o retábulo da capela-mor; dois púlpitos, no estilo “D. João V”; e seis capelas laterais com diversos elementos decorativos. A sacristia, situada no braço esquerdo da nave, é ornada com retábulo dourado e trabalhada pintura no forro, além de apresentar um grande arcaz do século XVIII. No coro, onde também está exposta a imaginária sacra, se tem uma ampla visão da nave da Igreja. Próximo às tribunas, as imagens de roca, utilizadas em procissões e fabricadas no século XIX, ganham destaque juntamente com anjos adoradores produzidos nas oficinas jesuíticas.

 Projeto Museológico

 O projeto museológico partiu do estudo de três temas principais: o mapeamento histórico das Ordens religiosas presentes no Pará, enfocando algumas igrejas construídas em Belém; a Igreja de Santo Alexandre, sua articulação com o complexo museal e com o contexto histórico e religioso; e a iconografia dos santos. O projeto foi desenvolvido por especialistas de diversas áreas, sempre atentos aos procedimentos de conservação preventiva adequados à realidade local. A iluminação do museu ganhou destaque no projeto museográfico ao primar pelo controle de incidência de luz sobre o acervo exposto.

Diretora

Zenaide Paiva

Fonte: Folder do Museu

Comentários: o Museu de Arte Sacra é parte integrante do Sistema Integrado de Museus e Memoriais da SECULT/PA, e compartilha a equipe técnica (montagem, educativo, conservação/salvaguarda) com todos os outros museus do SIM. Possui uma das melhores galerias da cidade para exposições fotográficas, a Galeria Fidanza. É talvez um dos poucos museus sustentáveis aqui em Belém pois além do grande fluxo de visitação, também aluga a igreja para casamentos e outros eventos. Existe um charmoso e confortável café em seu piso térreo, climatizado e com ótimos petiscos. Possui um pequeno auditório para cerca de 40 lugares.

“Amazônia – Estradas da Última Fronteira” de Paulo Santos // MHEP

A exposição
Durante muito tempo, o fotógrafo paraense Paulo Santos maturou a ideia de realizar uma grande exposição, inicialmente com o plano de montar uma mostra que fizesse um apanhado de seus 25 anos de carreira. Porém, no decorrer da escolha de temas e seleção de imagens, o projeto cresceu, passando a abarcar um período de aproximadamente 30 anos.
Assim, a partir de um intenso e cuidadoso trabalho, foi desenhada Amazônia – Estradas da Última Fronteira, agora em pleno processo de desenvolvimento, que a partir de hoje será compartilhado com o público por meio deste espaço de leitura.
A exposição, que tem curadoria de Marisa Mokarzel e será lançada na noite de 05 de agosto no MHEP, trará a visão de um observador privilegiado das transformações ocorridas na Amazônia ao longo das últimas décadas, procurando expressar as disparidades características da região em diferentes épocas e contextos.
Será uma grande oportunidade de se ver de perto e reunidas imagens que ganharam o mundo, publicadas em vários veículos de imprensa no Brasil e no exterior – oportunidade que por enquanto pode começar a ser experimentada aos poucos, com alguns detalhes exclusivos, pelos leitores deste blog.

Ficha técnica

Coordenação: Paulo Santos

Curadoria: Marisa Mokarzel

Textos: Ernani Chaves, Maurílio Monteiro, Roberto Araújo

Jornalistas: Edson Coelho, Frank Siqueira, Paulo Silber, Ronald Junqueiro

Blog: Ana Clara Matos

Montagem: Kiko

Contadora: Olívia Kusano

Projeto gráfico: Adriano Chedieck e Paulo Santos

Proposta museográfica: Nelson Carvalho

Projeto educacional: Janice Lima

Ações educativas: Eduardo Kalif

Produção: Simone Bandeira e Fatinha Silva

Editora: Paka Tatu – Armando Alves

Sobre o autor
Nascido em Belém do Pará, o fotógrafo Paulo Santos tem uma carreira consistente no âmbito do fotojornalismo, com um olhar especialmente acurado na cobertura de questões sociais e relativas ao meio-ambiente. Profissional experiente, de atuação amplamente reconhecida, tem trabalhos publicados em importantes jornais e revistas de abrangência nacional e internacional e participações em edições de livros, guias e CD’s de fotografia, além de integrar o banco de imagens de diversas agências de notícias, como Reuters, Associated Press, Globo Press, Agência Estado e a paraense Interfoto, da qual é sócio-fundador. Já expôs em diversas mostras coletivas em vários pontos do Brasil e também na França, realizou a individual “Fotografias”, na Galeria Elf, em Belém, e agora se dedica ao desenvolvimento de um antigo projeto, a exposição Amazônia – Estradas da Última Fronteira.
Jagunço – Praia da Romana (litoral do Pará), 1991.
Serviço
Exposição Amazônia – Estradas da Última Fronteira
Belém, Pará, Brazil
Fotografias de Paulo Santos, na Sala Antônio Parreiras do Museu Histórico do Estado do Pará – MHEP.
Curadoria: Marisa Mokarzel.
Abertura: 05.08.2010 (quinta-feira).
Visitação pública: 06.08 a 24.09.2010
Fonte: Blog da Exposição Amazônia – Estradas da Última Fronteira

Curadora da Bienal de Havana em Belém – Palestra e Leitura de Portifólios no IAP

São 20 vagas para artistas visuais para leituras de portfólios com Ibis Hernández Abascal, curadora da Bienal de Havana. As leituras serão dia 05 de agosto, pela manhã e à tarde. Para se inscrever os interessados deverão enviar currículo para o e-mail iapvisuais@gmail.com até o dia 04 de agosto, às 14h00. Serão selecionados apenas 20 artistas. Já a palestra será dia 06 de agosto, às 19, onde a famosa estudiosa de arte abordará a produção artística de seu país. Para a palestra será expedido pelo IAP declaração de participação. Todos os eventos são gratuitos.

AGENDA

Leitura de portifólios

Data: dia 05 de agosto.

Horário: das 9h00 às 12h00 e das 14h00 às 16h00

Local: Instituto de Artes do Pará

Pça. Justo Chermont, 236

Auditório

Palestra

Data: dia 06 de agosto

Horário: às 19h00

Local: Instituto de Artes do Pará

Pça. Justo Chermont, 236

Sala Multimeios
Tel: 4006 2911 / 4006 2910


Obra de Alexandre Sequeira, artista selecionado para a Décima Bienal de Havana

Fonte: Tylon Maués/ Comunicação IAP


Imagens da Décima Bienal de Havana em 2009 com o lema “Integração e Resistência na Era Global “.

Fonte: Site da Décima Bienal de Havana

Arte Pará 2010

Abertas as inscrições para o 29o Salão Arte Pará. É tempo da arte contemporânea paraense se reinventar. Dos artistas consagrados mostrarem suas mais recentes invenções e a nova geração chegar com toda força. Aqui você pode baixar a ficha de inscrição, regulamento e tudo mais.

Antes disso vamos relembrar os três Grandes Prêmios dos últimos salões:

Em 2007 o prêmio foi para Val Sampaio e Mariano Klautau com a instalação “Permanência”. Que de acordo com os artistas  “(…) é uma instalação que não é completa, ela não serve para contemplação. Ela só é completa quando alguém está sentado no balanço, é mesmo algo para ser usado”.

A instalação “Permanência”, de Val Sampaio e Mariano Klautau Filho, montada na capela Landi do Museu Histórico do Estado doPará, implica num balanço, duas projeções laterais de um vídeo de um balanço num quintal e sons de um quintal (pássaros, folhas secas,etc.). O espectador tem que se colocar no centro da cena para melhor desfrutar o trabalho e concretizar a proposta através da experiência:“Essa é uma instalação que não é completa, ela não serve para contemplação. Ela só é completa quando alguém está sentado nobalanço, é mesmo algo para ser usado”, argumenta Sampaio. Assim, “Permanência” se inscreve na tradição brasileira da sensorialidadedo neoconcretismo de Lygia Clark e sua “nostalgia do corpo”. O objeto é o meio indispensável, como no período sensorial da produçãode Clark, entre a sensação e o participante.No seu vai-e-vem, o balanço dissolve as noções de antes e depois. O tempo inefável da memória parece à deriva. O balanço é ressemantizadocomo tempo e não espaço. Como na duração, no conceito de Henri Bergson, o balanço de “Permanência” propõe estadosde não-começo e não-fi m, uma intersecção de um no outro. O balanço é, pois, o próprio ser em processo, seu movimento pendular éo diagrama de funcionamento da própria memória. É um paradigma para o fenômeno como algo que se apresenta para nós como noplano da experiência consciente e, ao mesmo tempo, o contato vivencial da própria poiesis nesses singelos jardins das delícias brasileirosque são os quintais. Há algo de edênico, como num ambiente de Hélio Oiticica, no quintal em crelazer de “Permanência”. Por fi m,Val Sampaio anuncia o abismo que separa os artistas de “Permanência” dos críticos formalistas do Brasil, greenbergianos tardios. ValSampaio e Mariano Klautau Filho convergem para valores presentes na crítica de Mário Pedrosa, na pintura de Barnett Newman ou noneoconcretismo: “O percurso da arte é a vida”.

Em 2008 o grande premiado foi  Vitor La Roque com a performance “Gallus Sapiens”. Segue o texto sobre a obra:

Partindo de relações do cotidiano e dos enfrentamentos presentes na vida, Victor de La Rocque constrói seu projeto performático “Gallus Sapiens” em re!exão sobre a natureza humana e o consumo. Nessa performance instigante, o artista ata Galinhas d’Angola vivas a seu corpo, ampliando este corpo, para além do simples ato de vestir-se, procurando estabelecer um corpo comum constituído pela soma desses duas espécimes. Nessa busca, encontra-se uma das potências do trabalho no momento em que o artista olha para a vida e quer identicar até onde nossa animalidade chega. A metáfora do “Gallus Sapiens” afeta por nos retirar dos papéis de conforto e nos colocar frente a frente com o estranho, com aquilo que não conseguimos dar conta. O artista, tal qual uma entidade de um culto ancestral, se coloca diante de símbolos de poder da cidade e os observa. O cansaço, a sofreguidão parecem dar lugar a um estado alterado de consciência nesse misturar de corpo vivo e corpo que morre em pontos estratégicos da cidade – Entroncamento, Cidade Velha e Avenida Presidente Vargas – locais escolhidos para as três ações que compreendem a proposição: “Glória Aleluia e a Mão de Deus”; “Come, Ainda Tens Tempo” e “Entre os Meus e os Seus”.

Partindo de relações do cotidiano e dos enfrentamentos presentes na vida, Victor de La Rocque constróiseu projeto performático “Gallus Sapiens” em re!exão sobre a natureza humana e o consumo. Nessaperformance instigante, o artista ata Galinhas d’Angola vivas a seu corpo, ampliando este corpo, para alémdo simples ato de vestir-se, procurando estabelecer um corpo comum constituído pela soma desses duasespécimes. Nessa busca, encontra-se uma das potências do trabalho no momento em que o artista olha paraa vida e quer identicar até onde nossa animalidade chega. A metáfora do “Gallus Sapiens” afeta por nosretirar dos papéis de conforto e nos colocar frente a frente com o estranho, com aquilo que não conseguimosdar conta. O artista, tal qual uma entidade de um culto ancestral, se coloca diante de símbolos de poder dacidade e os observa. O cansaço, a sofreguidão parecem dar lugar a um estado alterado de consciência nessemisturar de corpo vivo e corpo que morre em pontos estratégicos da cidade – Entroncamento, Cidade Velhae Avenida Presidente Vargas – locais escolhidos para as três ações que compreendem a proposição: “GlóriaAleluia e a Mão de Deus”; “Come, Ainda Tens Tempo” e “Entre os Meus e os Seus”.

Berna Reale, com a perfomance orientada para fotografia, resultando em um tríptico, “Quando todos calam”,  foi ao Ver-O-Peso  nua e se cobriu de vísceras para uma imagem surreal de tão absurdamente real. “Um lugar onde para mim é o estômago da cidade, um lugar onde a fartura e a miséria se confundem”, de acordo com a artista que levou o grande prêmio do Salão em 2009.

uma geografia onde o humano e o animal se confundem, os comportamentos se alternam e se entrecruzam em uma trama que é tecida, ora com fios de renda, ora com vísceras, entre o ritmo do adagio e do allegro, orquestrados pelo silêncio.

Abaixo as fichas de inscrição e tudo mais para o Salão Arte Pará 2010.

Na abertura site oficial do Salão Arte Pará 2010 está o seguinte texto:

O Pará, ao longo dos séculos deteve papel significativo no cenário da cultura na região Norte. Artistas de diversas linguagens vem constituindo um cenário particular na Amazônia, o que contribuiu para que florescesse aqui expressões artísticas especiais, que graças a articuladores político-culturais, passaram a adquirir visibilidade, constituindo conhecimento e ampliando o acesso a experiências estéticas ao público, atravessando o cotidiano e ganhando os mais diversos espaços, dos mais populares aos lugares específicos, como os museus.
O Projeto Arte Pará teve sua origem no início dos anos 1980, motivado por um desejo visionário do jornalista Romulo Maiorana de estimular a produção artística local, desejo esse que irá consolidar um dos projetos mais longevos no cenário nacional, constituindo-se em um dos mais significativos projetos de fomento, acesso e difusão artística no país. O Projeto Arte Pará que começou estimulando a produção artística local, incentivando e viabilizando oportunidades a artistas que hoje detém significativa carreira nacional e internacional, por meio de premiações e do fluxo de críticos e curadores, assa a ser um dos mais importantes projetos educativos pela arte do norte do país, integrando saberes, instituições de ensino, fomentando a participação de estudantes na construção do conhecimento e viabilizando acesso a arte a diversas camadas sociais, realizando ações inclusivas.
Rompendo as barreiras regionais, o Arte Pará se consolidou e como um evento que concentra um expressivo conjunto da produção artística nacional no Norte do Brasil ao longo dos meses em que suas ações ocorrem e passa, nos últimos anos, a apresentar conexões históricas internacionais, ampliando a compreensão da arte em sua dimensão social e política, por meio de convidados especiais. Nesse desenho, o local e o global se colocam em diálogo, revelando no Pará as transformações culturais que se viabilizam por meio da arte, entendendo esta como uma expressão que, por meio do Arte Pará, toma lugar no meio da vida dos indivíduos, na cidade, em seus lugares de valor simbólico, na própria vida.

Aproveito também para fazer uma viagem pelos Salões de 2009, 2008 e 2007, através de seus catálogos obtidos do site da Fundação Rômulo Maiorana que serviram de fonte para esta postagem, um site para passar horas acompanhando toda história do Salão que vai para sua vigésima nona edição.

Catálogo 2009

Coordenação Geral
Roberta Maiorana
Daniela Oliveira

Curadoria
Marisa Mokarzel
Orlando Maneschy

Coordenação Editorial
Vânia Leal Machado

Projeto Gráfico e Editoração
Mapinguari Design

Fotografias
Everton Ballardin

Assistente de Fotografia
Shirley Penaforte

Tratamento de imagens
Retrato Falado

Revisão de textos
Carolina Menezes

Catálogo 2008

Coordenação Editorial / Organização
Roberta Maiorana
Daniela Oliveira
Orlando Maneschy
Alexandre Sequeira
Emanuel Franco

Projeto Gráfico
Luciano e Daniela Oliveira

Revisão
Carolina Menezes

Digitação e Editoração Eletrônica
Ezequiel Noronha Jr.

Fotografas
Octávio Cardoso, Flavya Mutran, Orlando Maneschy e Alexandre Sequeira

Tratamento de Imagens
Oscar Farias
Gilson Magno

Catálogo 2007

Coordenação Editorial
Paulo Herkenhoff

Assistente de Edição
Alexandre Sequeira

Projeto Gráfico
Luciano e Daniela Oliveira

Revisão
Aline Monteiro

Digitação e Editoração Eletrônica
Fábio Beltrão
Ezequiel Noronha Jr.

Tratatamento de Imagens
Oscar Farias
Gilson Magno