Oficinas Curadoria e Contexto – Fórum Permanente no Centro Cultural da Espanha em São Paulo

O programa de oficinas Curadoria e contexto acontece entre março e novembro de 2011, dando continuidade ao projeto Experiências dialógicas (2008-2010) e às oficinas de curadoria organizadas pelo Fórum Permanente no Centro Cultural da Espanha em São Paulo nos anos anteriores. Formado por quatro oficinas intensivas, com duração de cinco dias cada, a cada encontro será abordado o exercício da curadoria em relação a outras práticas: Curadoria e gestão/produçãoCuradoria e deslocamentosCuradoria e mediação; e Curadoria e as tecnologias de acesso e memória cultural. Ao término do programa, serão organizadas sessões abertas ao público em geral, com transmissão online simultânea pelo Fórum Permanente

 

Realização: Centro Cultural da Espanha em São Paulo e Fórum Permanente

 

PRIMEIRA OFICINA

Curadoria e gestão/produção

Convidados: Gustavo Wanderley (Casa da Ribeira) e Maria Ignez Mantovani (Expomus)
Mediação: Ana Letícia Fialho, pelo Fórum Permanente

Faz parte do trabalho curatorial a reflexão sobre a gestão e análise da viabilidade orçamentária do projeto a ser realizado, como também a familiaridade com o contexto cultural, econômico e mercadológico onde está inserido o projeto, aí incluídos as instituições envolvidas e os potenciais apoiadores/patrocinadores do projeto. Nesta oficina serão discutidos exemplos de negociação/articulação entre o projeto curatorial conceitual e sua viabilidade gerencial e orçamentária, uma vez que delas dependem o impacto social, os desdobramentos, a circulação e distribuição que o projeto venha a ter.
Data 28 mar a 1 abr | Horário 2a, 3a, 4a e 6a feira das 18h às 22h e atividade pública na 5a feira, entre 19h30 e 22h30 | Local CCE_SP. Av Angélica, 1091 – Higienópolis, São Paulo SP | Vagas até 15 | Inscrições e processo de seleção enviar carta de intenção (até 500 caracteres), mini-CV (até 500 caracteres) e a síntese de um projeto curatorial (já realizado ou que só exista como projeto) articulado com o tema da oficina (até duas páginas A4, incluindo imagens) para curadoria@forumpermanente.org até 18 de março de 2011.
+ informações
curadoria@forumpermanente.org

Fonte: Fórum Permanente

 

 

 

Anúncios

3ª edição do Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea

 

Nesta quinta-feira (02), abre no Centro Cultural SESC Boulevard a 3ª edição do Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea, que tem o objetivo de possibilitar a apreciação de boa parte da produção artística acadêmica do nosso estado.

A equipe de profissionais formada por Alexandre Sequeira, Armando Queiroz e Paula Sampaio, selecionou os jovens artistas que irão compor a terceira edição do projeto e também os três premiados, que serão anunciados na Cerimônia de abertura do salão. A abertura contará ainda com a apresentação especial do cantor Arthur Nogueira e seu show Mundano.

Para um dos Técnicos responsáveis pelo projeto, Márcio Campos, o salão universitário é um espaço para novos artistas exporem suas produções. “O 3º Salão SESC Universitário é como um celeiro de jovens artistas, que tem a possibilidade de mostrar um pouco do que estão produzindo, através de suas pesquisas, experimentações e intuições que estão ligados ou não a um sistema de rede onde as interações e relações entre objetos e espectadores, circunstâncias e pessoas, realidades visíveis e invisíveis, se tornam cada vez mais intensas, resultando em um novo olhar do artista.

Dessa forma, o artista do agora trás, amparado pela denominação de arte contemporânea, a total liberdade de criação, oportunizando ao público a experiência de amplitude de seu repertório visual”, afirma. O 3º Salão SESC Universitário recebeu inscrições nas categorias: pintura, escultura, gravura, fotografia, objeto, desenho, instalação, vídeo-arte, performance e intervenção urbana.

Entre os inscritos, 16 artistas e dois coletivos foram selecionados, entre eles: – Amanda Gondim (UFPA) – Arlete Soed (ESMAC) – Aurélio (Unama e UFPA) – Bruno Leite (Unama) – Camila Aranha (UFPA) – Coletico “Gritaocorpo”, de Laila Costa (UEPA), Filipe Almeida (UFPA) e Maruzo Costa (UFPA) – Coletivo “Projeto Vazio”, de Bárbara Dias (UFPA), Danilo Baraúna (UFPA) e Nigel Anderson (UFPA) – Evna Moura (UFPA) – Hugo Nascimento (UFPA) – Jairo Vansiler (UFPA) – Marise Maués (Unama) – Mars Lima e Renan Pina (Iesam) – Patrícia Gondim (Unama) – Pedro Rodrigues (Unama) – Rodrigo José (Unama) – Valério Silveira (UFPA) – Wagner Oliveira (UFPA) – Yasmin Vasconcelos (Ulbra)

Serviço: 3ª edição do Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea “Depois de Revelada” – Documentação do Projeto Indicial

Abertura: 02 de dezembro (quinta)

Visitação: até 30 de janeiro de 2011 Horário: terça a domingo, das 10 às 21h Local: Centro Cultural SESC Boulevard – Av. Boulevard Castilho França, 522/523

Informações: (91) 4005-9584/9587 (Assessoria de Comunicação) (91) 3224-5654/5305 (Centro Cultural SESC Boulevard)

Entrada Franca

Fonte: guiart.com.br

Fim da enquete: “Qual seu museu preferido no Pará?”

O Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas recdebeu 35,85% dos votos e saiu como o museu preferido dos vistitantes do Xumucuís. Possuindo três salas para exposições temporárias o Onze Janelas é o museu que mais movimenta a arte contemporânea paraense. Tem sempre uma exposição nova em cartaz e com a criação do Prêmio SIM de Artes Visuais em 2008 ele democratizou o acesso a seus espaços expositivos. Dirigido atualmente pela artista plástica Nina Matos é um espaço privilegiado pela localização, sítio histórico da fundação da cidade de Belém, e foi inaugurado em 2002 pela gestão do Secretário de Cultura Paulo Chavez e com a coordenação da museóloga Rosângela Britto.

Até a criação do Museu do Estado do Pará e do Museu de Arte de Belém a palavra “museu” só tinha um destino, o Museu Paraense Emílio Goeldi. Hoje o MPEG é bem mais do que um museu de historia natural, é um centro de pesquisas referência de estudos da amazônia. Em nossa enquete ele ficou em segundo lugar com 26,42% dos votos.

Museu do Marajó com 15,09%, Museu de Arte Sacra com 13,21% e Museu de Arte de Belém 7,55% completam a lista desta enquete informal do Xumucuís. Até a próxima.

4° Fórum Nacional de Museus “Direito à Memória, Direito a Museus”

FAÇA AQUI SUA INSCRIÇÃO ATÉ O DIA 05 DE JULHO.

Fórum Nacional de Museus (FNM) é um evento bienal, com o objetivo de refletir, avaliar e estabelecer diretrizes para a Política Nacional de Museus (PNM) e para o Sistema Brasileiro de Museus (SBM).

A 4ª edição do Fórum Nacional de Museus é uma culminância do processo de construção da Política Nacional de Museus e sintetiza o esforço empreendido para articular, promover, desenvolver e fortalecer o campo museal brasileiro. Trata-se de um momento propício para a avaliação da PNM em termos de metas, experiências, realizações, resultados efetivos, frustrações e, ao mesmo tempo, de construção e projeção no futuro de novas possibilidades e experimentações, de novos caminhos, desafios e horizontes.

As três edições anteriores do FNM contribuíram, ao seu modo, para o desenvolvimento e o enraizamento social da política de museus, compreendida como política pública de cultura.

O 1º FNM, realizado em Salvador (BA), em 2004, teve por tema “A Imaginação Museal: os caminhos da democracia” e inspirou muitos debates. O 2º FNM, realizado em Ouro Preto (MG), em 2006, adotou o tema,O futuro se constrói hoje” e contribuiu para a apresentação e o desenvolvimento de novas experiências museais. O 3º. FNM foi realizado emFlorianópolis (SC), em 2008, tendo por pano de fundo o tema: “Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento”, foi fundamental para a afirmação da centralidade da museologia social no âmbito da PNM.

O 4º FNM traz para o centro dos debates o tema: “Direito à Memória, Direito a Museus”. A vontade (ou desejo) de memória (e de patrimônio) mesmo não sendo exclusividade do mundo contemporâneo, ganha na atualidade, em virtude de seu vínculo com o campo da comunicação e da política, uma dimensão especial.

Direito à memória, vontade de memória e dever de memória, implicam, de algum modo, o seu oposto. A memória é campo de litígio, é arena de disputa política pelo passado e pelo futuro. Nesse sentido, é preciso considerar que esquecer não é crime, esquecer não é pecado, esquecer faz parte da vida e faz parte dos processos de memória. Assim como produzimos memória, também produzimos esquecimentos.

O tema do 4º FNM tem relevância para o campo museal contemporâneo e sinaliza para a importância de se pensar o museu como conector cultural de espaços e tempos diversos. Tudo isso, levando em conta a memória que, a rigor, está entronizada no presente.

Compreendendo o 4° FNM como espaço radical de troca de experiências, o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) convida todos os interessados no tema acima indicado a participar do exercício de construção de uma nova imaginação museal; uma imaginação capaz de dialogar com temas como: cidades e cidadania; desenvolvimento sustentável; economia criativa; e, estratégias de institucionalização de um universo museal tão multifacetado.

Durante o Fórum serão oferecidos mini-cursos de capacitação em diversas áreas de atuação do campo museal. Também serão reunidos grupos de trabalhos temáticos para a construção e discussão das diretrizes, ações e metas da Política Nacional de Museus – PNM.

Resultados Esperados

I – Mobilizar a comunidade museológica do Brasil;

II – Propor estratégias para o fortalecimento do setor museológico, buscando assegurar a qualificação da gestão museal;

III – Promover o debate entre profissionais de museus, gestores culturais, estudantes e interessados no tema, garantindo ampla discussão sobre questões como gestão cultural; preservação, aquisição e democratização de acervos; formação e capacitação; educação e ação social; modernização e segurança; economia dos museus; acessibilidade e sustentabilidade ambiental; comunicação e exposições; pesquisa e inovação;

IV – Propor estratégias para a consolidação dos sistemas de participação e controle social na gestão das políticas públicas de museus e memórias e estimular as transversalidades culturais, garantido acesso a uma boa formação dos profissionais do campo museal;

V – Aprimorar e propor mecanismos de articulação e cooperação institucional entre os entes federativos e destes com a sociedade civil, enfatizado as atividades de preservação e aquisição, bem como os esforços de democratização de acervos;

VII – Debater, examinar e implantar as diretrizes aprovadas na II Conferência Nacional de Cultura (CNC), relativas aos museus;

VIII – Elaborar e aprovar as estratégias para o Plano Nacional Setorial de Museus, contemplando os principais aspectos do que resultou do debate sobre as questões transversais do setor museal;

IX – Eleger os novos membros do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, que, simultaneamente, passarão a compor o Colegiado Setorial de Museus e Memória junto ao Conselho Nacional de Políticas Culturais.

PROGRAMAÇÃO

PLENÁRIA ESTADUAL DO SETOR MUSEOLÓGICO

PLENÁRIA ESTADUAL DO SETOR MUSEOLÓGICO

Museu Histórico do Estado do Pará

O IBRAM – Instituto Brasileiro de Museus realizará o IV Fórum Nacional de Museus no período de 12 a 17 de julho de 2010 em Brasília – DF, com o objetivo de mobilizar, refletir, avaliar e estabelecer diretrizes para a Política Nacional de Museus.

Este ano, o IV Fórum Nacional de Museus se reverte de grande relevância, pois o mesmo tem como um dos objetivos debater e aprofundar as propostas  aprovadas na II CNC, relativas aos museus e Elaborar e aprovar as Diretrizes do Plano Nacional Setorial de Museus definindo assim os princípios norteadores  da política museológica para todo o Brasil.

O IV Fórum será antecedido por Plenárias Estaduais e Distritais durante o mês de junho, tendo por base cinco eixos temáticos: Produção simbólica e diversidade cultural; Cultura, Cidade e Cidadania; Cultura e Desenvolvimento Sustentável; Cultura e Economia Criativa; Gestão e Institucionalidade da Cultura.

A plenária do Estado do Pará será um espaço importante de discussão e troca de experiências entre todos os seguimentos da sociedade, para a organização e fortalecimento do campo museológico na Região Norte e no Brasil, onde serão debatidas e aprovadas as propostas do Estado que serão encaminhadas e defendidas no IV Fórum Nacional de Museus.

Diante do exposto, temos o prazer de convidar a todos para participar da Plenária Estadual de Museus do Pará que será realizada no dia 21 e 22 de junho, no Museu do Estado do Pará – MEP – Salão transversal – praça Dom. Pedro II s/no – cidade Velha – Belém/PA.

Atenciosamente,

Renata Maués

Diretora do SIM/SECULT


DATA: 21 e 22/junho/2010

LOCAL: Salão Transversal / Museu do Estado do Pará – MEP

Dia 21/06

08h – Abertura Oficial

Manhã

08h30 às 09h30 – Eixo 1 – Produção Simbólica e Diversidade Cultural

Palestrante: Jane Beltrão – UFPA

Valmir Carlos Bispo Santos – Superintendente Fundação Curro velho

Mediador: Jeam Lopes – Diretor do Museu do Círio

09h30 às10h30 – Eixo 2 –  Cultura, Cidade e Cidadania

Palestrante: Jussara Derenji – Museu da UFPA

Carlos Henrique Gonçalves – Diretor de Cultura SECULT

Mediador: Rosa Arraes – Museu de Arte de Belém

10h30 às 11h00 – Intervalo

11h00 às 12h00 – Eixo 3Cultura e Desenvolvimento Sustentável

Palestrante: Ecomuseus  da Amazônia ( confirmar nome)

Lélia Fernandes – Diretora do Patrimônio /SECULT (a confirmar)

Mediador:

Tarde

14h30 às 15h30 – Eixo 4Cultura e Economia Criativa

Palestrante: Rosangela Britto ( a confirmar)

Ana Elizabeth Almeida – Secretária Adjunta da SETER ( a confirmar)

15h30 às 15h45 – Intervalo

15h45 às 16h45 – Eixo 5Gestão e Institucionalidade da Cultura

Palestrante: Cincinato Marques Júnior – Secretário de Cultura

Maria Dorotea Lima – IPHAN (a confirmar)

Mediador: Flávio de Carvalho /DEPHAC

Dia 22/06

Manhã

09h00 às 12h00 – Discussão em grupo

Tema: 05 eixos

Tarde

14h30 às 18h00 – Plenária Final

Outros Prazeres ou Aquilo que Amou ter de Volta

Outros Prazeres ou Aquilo que Amou ter de Volta – um diálogo com o acervo da Casa das 11 Janelas – curadoria Orlando Maneschy

com Courtney Smith, Douglas Marques de Sá, Laura Vinci,
Newton Mesquita, Marco Paulo Rolla, Hildebrando Castro,
Adir Sodré, Miguel Rio Branco, Cildo Meireles, Lina Kim,
Nazaré Pacheco, Yiftah Paled, Laércio Redondo,
Marcelo Coutinho, Paulo Climachauska, Rosângela Rennó,
José Guedes, Orlando Maneschy e Cláudia Leão.

Período: de 04 de junho a 11 de julho de 2010

de terça a domingo , de 10h às 16h – feriados : de 09h às 13h.

O Museu Casa das Onze Janelas fica na Praça Frei Caetano Brandão s/ nº, Cidade Velha- Belém/PA. CEP: 66020-310.

Ingresso: R$2,00. Todas as terças-feiras do ano a entrada é franca.

Gratuidade: crianças até 7 anos , adultos a partir dos 60 anos, portadores de necessidades especiais,
grupos agendados e turmas da rede de ensino agendadas . Agendamento : (91) 40098845 – Educativo SIM.

Informações: (91) 40098825/40098823/40098821. E-mail: onzejanelas@gmail.com

http://museucasadasonzejanelas.blogspot.com/

Armando Queiroz e o mapeamento da arte contemporânea na Região Norte

Do canal de vídeo da Itaú Cultural no youtube compartilho essa entrevista com Armando Queiroz, que viajou pelos estados da Região Norte pesquisando e difundindo conhecimento sobre a produção de artes visuais. Armando é artista incrivelmente inventivo, e vem se mostrando um sensível e criativo curador de arte.

Texto extraído do canal de vídeo da Itaú Cultural:

“Neste vídeo, Armando Queiroz conta a sua experiência de mapear nos estados da região Norte, como assistente curatorial do Rumos Artes Visuais 2008-2009.

O programa Rumos Itaú Cultural busca identificar e promover obras e artistas contemporâneos de todo o Brasil. Para chegar aos artistas, oito assistentes curatoriais percorreram as cinco regiões do país, vasculhando ateliês, escolas e galerias por quase seis meses. Como investigadores, eles conversaram com quem produz, ouviram críticos e professores e observaram muito a cena artística de cada lugar.

Os resultados foram exposições, cursos e bolsas de estudo.

Saiba mais em: http://www.itaucultural.org.br/index….”