Blog da Lúcia Gomes

Pensem num blog que é pura experimentação artística, esse é o fragmento do ciberespaço no blogspot da artista paraense Lúcia Gomes. A inquietude da artista é puro delírio visual, sem nenhuma programação web, sem design arrojado, onde tudo é arte na essência mais primitiva do termo. Uma janela pra dentro do universo íntimo da autora, que considero a mais coerente e engajada da atualidade. Visita obrigatória.

Acesse aqui Blog Lúcia Gomes.

Algumas imagens de trabalhos recentes da artista postados no blog.

PING PING

Geborgen im Aquarium (Lucia Gomes 2011) IGARAP

 

Anúncios

Exposição “Recortes” de Ruma – Resultado de Bolsa de Experimentação e Criação do IAP – Fotoativa

3ª edição do Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea

 

Nesta quinta-feira (02), abre no Centro Cultural SESC Boulevard a 3ª edição do Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea, que tem o objetivo de possibilitar a apreciação de boa parte da produção artística acadêmica do nosso estado.

A equipe de profissionais formada por Alexandre Sequeira, Armando Queiroz e Paula Sampaio, selecionou os jovens artistas que irão compor a terceira edição do projeto e também os três premiados, que serão anunciados na Cerimônia de abertura do salão. A abertura contará ainda com a apresentação especial do cantor Arthur Nogueira e seu show Mundano.

Para um dos Técnicos responsáveis pelo projeto, Márcio Campos, o salão universitário é um espaço para novos artistas exporem suas produções. “O 3º Salão SESC Universitário é como um celeiro de jovens artistas, que tem a possibilidade de mostrar um pouco do que estão produzindo, através de suas pesquisas, experimentações e intuições que estão ligados ou não a um sistema de rede onde as interações e relações entre objetos e espectadores, circunstâncias e pessoas, realidades visíveis e invisíveis, se tornam cada vez mais intensas, resultando em um novo olhar do artista.

Dessa forma, o artista do agora trás, amparado pela denominação de arte contemporânea, a total liberdade de criação, oportunizando ao público a experiência de amplitude de seu repertório visual”, afirma. O 3º Salão SESC Universitário recebeu inscrições nas categorias: pintura, escultura, gravura, fotografia, objeto, desenho, instalação, vídeo-arte, performance e intervenção urbana.

Entre os inscritos, 16 artistas e dois coletivos foram selecionados, entre eles: – Amanda Gondim (UFPA) – Arlete Soed (ESMAC) – Aurélio (Unama e UFPA) – Bruno Leite (Unama) – Camila Aranha (UFPA) – Coletico “Gritaocorpo”, de Laila Costa (UEPA), Filipe Almeida (UFPA) e Maruzo Costa (UFPA) – Coletivo “Projeto Vazio”, de Bárbara Dias (UFPA), Danilo Baraúna (UFPA) e Nigel Anderson (UFPA) – Evna Moura (UFPA) – Hugo Nascimento (UFPA) – Jairo Vansiler (UFPA) – Marise Maués (Unama) – Mars Lima e Renan Pina (Iesam) – Patrícia Gondim (Unama) – Pedro Rodrigues (Unama) – Rodrigo José (Unama) – Valério Silveira (UFPA) – Wagner Oliveira (UFPA) – Yasmin Vasconcelos (Ulbra)

Serviço: 3ª edição do Salão SESC Universitário de Arte Contemporânea “Depois de Revelada” – Documentação do Projeto Indicial

Abertura: 02 de dezembro (quinta)

Visitação: até 30 de janeiro de 2011 Horário: terça a domingo, das 10 às 21h Local: Centro Cultural SESC Boulevard – Av. Boulevard Castilho França, 522/523

Informações: (91) 4005-9584/9587 (Assessoria de Comunicação) (91) 3224-5654/5305 (Centro Cultural SESC Boulevard)

Entrada Franca

Fonte: guiart.com.br

Prêmio Investidor Profissional em Arte – PIPA

Os paraenses Armando Queiroz e Alberto Bitar estão entre os 101 indicados ao PIPA –  Prêmio Investidor Profissional em Arte.

Obra de Armando Queiroz “Projeto Sagrado Coração”. (Fonte: Cultura Pará)

Obra de Alberto Bitar “Efêmera Paisagem” (Fonte: Diário do Pará)

Segue abaixo a apresentação do importante prêmio:

O Prêmio Investidor Profissional de Arte (PIPA) é uma parceria entre aInvestidor Profissional e o MAM-Rio.

Ambos  firmaram uma parceria para a criação do mais relevante prêmio de artes plásticas brasileiro, com a idéia de premiar artistas promissores com produção reconhecida por especialistas como de grande valor artístico merecedora de integrar a coleção do MAM- Rio.

O PIPA tem ainda o objetivo de divulgar e promover a arte e os artistas no Brasil, o Rio de Janeiro, o MAM- Rio e a Investidor Profissional.

Por que a IP decidiu lançar o PIPA?

A iniciativa tem a ver com a convicção mais profunda da empresa, de que é preciso pensar out of the box, seja nas estratégias de investimento, seja no processo de investimentos.

A IP sempre considerou importante questionar formas convencionais de olhar as empresas, o mercado e até mesmo o seu próprio papel como gestores.

Este tipo de postura permitiu estabelecer relação mais próxima com quem compartilha sua “visão de mundo”.

Assim como a IP se beneficiou ao encontrar empresas para as quais o mercado não olhava com atenção, pretende agora, com o PIPA, estimular e reconhecer artistas, suas idéias e pontos de vistas ainda não consagrados, além de oferecer a eles a oportunidade de expor trabalhos no MAM- Rio.

O Prêmio nasceu em parceria com o MAM- Rio porque a Investidor Profissional acredita que a relevância daquela instituição para a arte brasileira merece ser apoiada em sua busca constante por melhorias.

Parceria

A Investidor Profissional, fundada em 1988, é a primeira empresa independente de gestão de recursos do Brasil. Foi pioneira no país ao introduzir filosofia de investimentos inspirada pelos princípios que marcaram a trajetória vitoriosa do americano Warren Buffett. As decisões de investimento da empresa sempre se basearam em princípios como potencial de valorização das empresas, capacidade de administração de seus executivos, boas práticas de governança, conduta ética e resultados consistentes. A Investidor Profissional sempre se pautou por princípios similares e por critérios rígidos e coerentes ao implementar sua filosofia de investimento. E nunca se caracterizou por acompanhar tendências ou modismos do mercado. De alguma forma, este mesmo tipo de visão inspira agora a procura por reconhecer talentos e premiá-los a partir da criação do Prêmio Investidor Profissional de Arte – PIPA.

O MAM- Rio foi fundado em 1948 e teve como primeiro presidente Raymundo de Castro Maya. Já em seu primeiro ano de atividades, o museu adquiriu obras de artistas como Pablo Picasso, Ben Nicholson, Wassily Kandinsky, Paul Kleee Salvador Dalí. Nos anos 50, mostras de Alexander Calder, Georges Mathieue Lygia Clark, assim como cursos de Ivan Serpa e John Friedlanderconverteram o MAM- Rio em foco de transformação artística e sede do neoconcretismo. Nos anos 60, exposições e mostras como o Opinião 65 e a Nova Objetividade Brasileira fizeram do MAM- Rio pólo da vanguarda cultural brasileira. Ao completar 30 anos, o MAM- Rio viu ser acervo ser quase inteiramente destruído por um incêndio, sendo reaberto nos anos 80. Nos anos 90, Gilberto Chateaubriand depositou no MAM- Rio, em regime de comodato, sua coleção de mais de 4 mil obras. Ao longo dos últimos anos, o MAM- Rio experimenta processo de revitalização e procura recuperar o papel de protagonista no fomento às artes e à cultura brasileira, vocação inegável daquela instituição.

Frequência

O PIPA terá frequência anual, com a indicação dos finalistas acontecendo até o final de Julho, a exposição no período Setembro/ Novembro sempre no MAM- Rio e a divulgação do resultado na última semana de outubro.

Critérios de participação

Objetivo: O “Prêmio Investidor Profissional de Arte” visa premiar e consagrar artistas que já vem se destacando por seus trabalhos, já conhecidos no mercado de arte brasileiro e não para descobrir novos talentos totalmente desconhecidos. É uma premiação.

Embora o objetivo seja premiar “Artistas Brasileiros” considerados “Promissores” na Arte Contemporânea nacional, tais conceitos ficarão a critério do Júri de Seleção e, posteriormente, do Júri de Premiação.

Idade: Não há limite de idade para concorrer ao Prêmio.

Mídia/ formato: Os indicados podem ser artistas visuais que desenvolvam trabalhos em quaisquer mídias e formatos.

Não há inscrições para concorrer ao Prêmio. Os artistas serão indicados pelo Júri de Seleção.

Período de criação: As indicações serão feitas em função de trabalhos ou exposição produzidas no período entre o início do ano anterior até a data limite de entrega dos Indicados pelo Júri de Seleção (na edição de 2010: 10 de Junho).

Júri de Seleção: Composto por profissionais do meio, buscando a diversidade e abrangência sob as dimensões de atividade – artistas consagrados, colecionadores, galeristas, curadores e críticos de arte – e geográfica. Apesar disso a preocupação é com a amplitude da cobertura, e não com qualquer representação proporcional.

A composição do Júri de Seleção mudará a cada edição.

Premiação

O prêmio para o vencedor do Júri de Premiação será o maior da arte brasileira: R$ 100.000. Destes, R$ 75.000 em dinheiro e R$ 25.000 para financiar uma residência fora do Brasil. O prêmio do Júri Popular será de R$ 20.000.
Se o ganhador do Júri de Premiação e do Popular for o mesmo, acumulará os dois Prêmios.
Não haverá prêmio pecuniário para demais indicados ou finalistas. Os benefícios serão em temos de divulgação de seus trabalhos e dos mesmos passarem a integrar o acervo do MAM (no caso dos finalistas) e a inclusão no catálogo da exposição.

Artistas premiados em anos anteriores, seja pelos Júris de Premiação e/ou Popular, não podem mais concorrer.

O anúncio dos vencedores do PIPA 2010 se dará em 28 de outubro.

Julgamento das obras

Júri de Premiação

Responsável por escolher o vencedor do prêmio de R$ 100.000. Composto por cinco a sete membros indicados pelo Conselho, estando entre eles um representante da Instituição aonde o vencedor do Prêmio principal fará residência.

A composição do Júri de Premiação mudará a cada ano.

Júri Popular

Ao comprar um ingresso para a exposição dos finalistas no MAM, cada visitante terá direito a um voto. Os votos não serão identificados com o nome do votante.

Ambos os prêmios serão divulgados simultaneamente.

Conselho do Prêmio

Tem as atribuições de garantir o cumprimento das regras do prêmio, coordenar o processo de seleção dos membros dos Júris, contribuir para a credibilidade e visibilidade do PIPA e discutir e propor ao Instituto Investidor Profissional eventuais mudanças nas regras do Prêmio a cada edição.
Composição do Conselho 2010:

Representantes da Investidor Profissional: Roberto Vinháes e Christiano Fonseca Filho (co-fundadores da Investidor Profissional)

Representantes do MAM-Rio: Carlos Alberto Gouvêa Chateaubriand e Luiz Camillo Osorio (Presidente e Curador do MAM-Rio, respectivamente)

Conselheiros convidados: Marcelo Mattos Araujo (diretor executivo da Pinacoteca do Estado de São Paulo), Luís Antonio de Almeida Braga(Colecionador) e Helmut Batista ( artista e fundador do programa de residências para artistas – Capacete)

O mandato do Conselho é anual.

Finalistas

Os quatro finalistas serão definidos pelo Conselho do PIPA, baseado no número de indicações recebidas pelo Júri de Seleção.

Exposição

Os trabalhos dos finalistas será objeto de exposição no MAM- Rio.

O layout será definido pelos organizadores do Prêmio e o espaço a ser alocado a cada artista será sorteado.
Cada artista terá um espaço para montar sua exibição, sujeitas a considerações práticas de tamanho e aprovação do Conselho do Prêmio.

Os finalistas receberão uma ajuda de custo de R$3.000,00 cada para ajudar na participação (transporte de obras, passagens).

A exposição dos finalistas do PIPA 2010 acontecerá de 25 de setembro a 14 de novembro.

4° Fórum Nacional de Museus “Direito à Memória, Direito a Museus”

FAÇA AQUI SUA INSCRIÇÃO ATÉ O DIA 05 DE JULHO.

Fórum Nacional de Museus (FNM) é um evento bienal, com o objetivo de refletir, avaliar e estabelecer diretrizes para a Política Nacional de Museus (PNM) e para o Sistema Brasileiro de Museus (SBM).

A 4ª edição do Fórum Nacional de Museus é uma culminância do processo de construção da Política Nacional de Museus e sintetiza o esforço empreendido para articular, promover, desenvolver e fortalecer o campo museal brasileiro. Trata-se de um momento propício para a avaliação da PNM em termos de metas, experiências, realizações, resultados efetivos, frustrações e, ao mesmo tempo, de construção e projeção no futuro de novas possibilidades e experimentações, de novos caminhos, desafios e horizontes.

As três edições anteriores do FNM contribuíram, ao seu modo, para o desenvolvimento e o enraizamento social da política de museus, compreendida como política pública de cultura.

O 1º FNM, realizado em Salvador (BA), em 2004, teve por tema “A Imaginação Museal: os caminhos da democracia” e inspirou muitos debates. O 2º FNM, realizado em Ouro Preto (MG), em 2006, adotou o tema,O futuro se constrói hoje” e contribuiu para a apresentação e o desenvolvimento de novas experiências museais. O 3º. FNM foi realizado emFlorianópolis (SC), em 2008, tendo por pano de fundo o tema: “Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento”, foi fundamental para a afirmação da centralidade da museologia social no âmbito da PNM.

O 4º FNM traz para o centro dos debates o tema: “Direito à Memória, Direito a Museus”. A vontade (ou desejo) de memória (e de patrimônio) mesmo não sendo exclusividade do mundo contemporâneo, ganha na atualidade, em virtude de seu vínculo com o campo da comunicação e da política, uma dimensão especial.

Direito à memória, vontade de memória e dever de memória, implicam, de algum modo, o seu oposto. A memória é campo de litígio, é arena de disputa política pelo passado e pelo futuro. Nesse sentido, é preciso considerar que esquecer não é crime, esquecer não é pecado, esquecer faz parte da vida e faz parte dos processos de memória. Assim como produzimos memória, também produzimos esquecimentos.

O tema do 4º FNM tem relevância para o campo museal contemporâneo e sinaliza para a importância de se pensar o museu como conector cultural de espaços e tempos diversos. Tudo isso, levando em conta a memória que, a rigor, está entronizada no presente.

Compreendendo o 4° FNM como espaço radical de troca de experiências, o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) convida todos os interessados no tema acima indicado a participar do exercício de construção de uma nova imaginação museal; uma imaginação capaz de dialogar com temas como: cidades e cidadania; desenvolvimento sustentável; economia criativa; e, estratégias de institucionalização de um universo museal tão multifacetado.

Durante o Fórum serão oferecidos mini-cursos de capacitação em diversas áreas de atuação do campo museal. Também serão reunidos grupos de trabalhos temáticos para a construção e discussão das diretrizes, ações e metas da Política Nacional de Museus – PNM.

Resultados Esperados

I – Mobilizar a comunidade museológica do Brasil;

II – Propor estratégias para o fortalecimento do setor museológico, buscando assegurar a qualificação da gestão museal;

III – Promover o debate entre profissionais de museus, gestores culturais, estudantes e interessados no tema, garantindo ampla discussão sobre questões como gestão cultural; preservação, aquisição e democratização de acervos; formação e capacitação; educação e ação social; modernização e segurança; economia dos museus; acessibilidade e sustentabilidade ambiental; comunicação e exposições; pesquisa e inovação;

IV – Propor estratégias para a consolidação dos sistemas de participação e controle social na gestão das políticas públicas de museus e memórias e estimular as transversalidades culturais, garantido acesso a uma boa formação dos profissionais do campo museal;

V – Aprimorar e propor mecanismos de articulação e cooperação institucional entre os entes federativos e destes com a sociedade civil, enfatizado as atividades de preservação e aquisição, bem como os esforços de democratização de acervos;

VII – Debater, examinar e implantar as diretrizes aprovadas na II Conferência Nacional de Cultura (CNC), relativas aos museus;

VIII – Elaborar e aprovar as estratégias para o Plano Nacional Setorial de Museus, contemplando os principais aspectos do que resultou do debate sobre as questões transversais do setor museal;

IX – Eleger os novos membros do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, que, simultaneamente, passarão a compor o Colegiado Setorial de Museus e Memória junto ao Conselho Nacional de Políticas Culturais.

PROGRAMAÇÃO

Outros Prazeres ou Aquilo que Amou ter de Volta

Outros Prazeres ou Aquilo que Amou ter de Volta – um diálogo com o acervo da Casa das 11 Janelas – curadoria Orlando Maneschy

com Courtney Smith, Douglas Marques de Sá, Laura Vinci,
Newton Mesquita, Marco Paulo Rolla, Hildebrando Castro,
Adir Sodré, Miguel Rio Branco, Cildo Meireles, Lina Kim,
Nazaré Pacheco, Yiftah Paled, Laércio Redondo,
Marcelo Coutinho, Paulo Climachauska, Rosângela Rennó,
José Guedes, Orlando Maneschy e Cláudia Leão.

Período: de 04 de junho a 11 de julho de 2010

de terça a domingo , de 10h às 16h – feriados : de 09h às 13h.

O Museu Casa das Onze Janelas fica na Praça Frei Caetano Brandão s/ nº, Cidade Velha- Belém/PA. CEP: 66020-310.

Ingresso: R$2,00. Todas as terças-feiras do ano a entrada é franca.

Gratuidade: crianças até 7 anos , adultos a partir dos 60 anos, portadores de necessidades especiais,
grupos agendados e turmas da rede de ensino agendadas . Agendamento : (91) 40098845 – Educativo SIM.

Informações: (91) 40098825/40098823/40098821. E-mail: onzejanelas@gmail.com

http://museucasadasonzejanelas.blogspot.com/

Exposição “Eu e o Homem” no Museu de Arte de Belém

Eu e o homem, sob esse título o Museu de Arte de Belém (MABE) monta uma exposição de arte contemporânea para trabalhar o tema proposto pelo IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus) – Museus para a Harmonia Social – para a 8ª Semana Nacional de Museus.

A proposta da exposição, desde seu título, é provocar uma reflexão sobre nosso papel e o papel dos museus na sociedade, bem como o papel das artes. Ao mesmo tempo, através da interpretação de cada artista sobre o tema, pretende-se uma reflexão sobre o que é essa chamada “harmonia social”, o que entendemos por isso, qual nossa opinião sobre essa busca pela harmonia e como isso se reflete em nossas ações.

A exposição contará com 02 (duas) obras de 12 (doze) artistas plásticos paraenses escolhidos pelas diferenças de meios (pintura, desenho, fotografia, objeto e mídias contemporâneas), e pela referência de cada um dentro da capital do Estado. São eles:

1. Andrea Feijó

2. Berna Reale

3. Elieni Tenório

4. Elza Lima

5. Emanuel Franco

6. Geraldo Teixeira

7. Jocatos

8. Maria Christina

9. Nando Lima

10. Nina Matos

11. Pablo Mufarrej

12. Ruma

Eu e o homem terá sua abertura dia 18 de maio, Dia Internacional dos Museus, na Galeria Antonieta Santos Feio, no MABE.

A exposição faz parte da programação da 8ª Semana Nacional de Museus, porém deve seguir até 01 de agosto de 2010, estendendo assim a reflexão para além da Semana. A curadoria fica a cargo do artista plástico Tadeu Lobato.

Para agendamentos de visitas ao MABE:

Divisão de Ação Educativa: 3114-1028
Fonte: Blog do MABE

Convite da exposição (verso)
Convite da Exposição (frente)

Projeto Rios de Terras e Águas: navegar é preciso

design do site rios de terras e aguas...

“O projeto Rios de Terras e Águas: navegar é preciso foi idealizado pelas pesquisadoras Janice Lima, Marisa Mokarzel e Simone Moura e tem como objetivo documentar e difundir a obra de seis artistas contemporâneos do Pará que se encontram interligadas por questões patrimoniais, culturais e artísticas.

O projeto foi selecionado e financiado pelo Programa Petrobrás Cultural na categoria Formação/Educação para as Artes: Materiais e Documentação. Teve como proponente a Fundação Instituto para o Desenvolvimento da Amazônia – FIDESA e como parceira a Universidade da Amazônia – UNAMA.” (fonte: site do projeto)

O site do projeto é aqui: Rios de terras e águas: navegar é preciso

Esses são os vídeos, com uma das idealizadoras do projeto Mariza Mokarzel e os artistas pesquisados:

Obra em Questão // BANZEIRO, de Marcone Moreira

BANZEIRO

Venho a alguns anos, desenvolvendo um trabalho que tem como uma das referências o  universo dos ribeirinhos.

Resido e trabalho em Marabá no Pará, cidade entrecruzada por dois grandes rios, o Tocantins e o Itacaiúnas, portanto o contato com esse ambiente é naturalmente constante.

O meu processo de pesquisa envolve o interesse sobre os estaleiros localizados às margens desses rios, para observar e recolher material destinados à produção do meu trabalho, o que me contaminou por essa visualidade.

Minha obra abrange várias linguagens, como a produção de pintura, escultura, vídeo, objeto, fotografia e instalação (www.marconemoreira.blogspot.com).

A realização desse projeto, a instalação BANZEIRO, é uma continuidade da minha pesquisa visual.

A palavra BANZEIRO significa em nossa região o constante movimento das águas, provocado tanto por uma embarcação a vapor, ou pela agitação natural das águas, situação recorrente nos rios amazônicos, chegando ao ponto de não ser recomendado a navegação, em alguns horários, devido o aumento do risco de naufrágio.

O trabalho será composto por 30 cavernames (peças curvas de madeira que dão forma ao casco das embarcações), distribuídos no piso do espaço expositivo em várias direções, de uma forma que remeta metaforicamente ao movimento revolto das águas.

As peças (cavernames) serão confeccionadas em Marabá, em um dos estaleiros às margens do rio Tocantins, local onde se concentram várias oficinas de construção e reforma de embarcações, assim valorizando o trabalho e o conhecimento desses mestres da carpintaria naval.  Além das fotografias, será produzido um vídeo para registro do processo de trabalho, desde a construção à exposição da obra.

a realização desse trabalho foi possivel através do Prêmio Marcantonio Vilaça/Funarte, 2009

Marcone Moreira

http://www.marconemoreira.blogspot.com

Blog Novas Medias?! entrevistas com artistas paraenses

Muito boa a iniciativa do blog Novas Medias?! de fazer entrevistas com artistas contemporâneos paraenses.

A primeira foi com Luciana Magno e a mais recente com Carla Evanovitch.

O Ricardo e o Bruno são artistas/pesquisadores muito inteligentes e que buscam sempre ampliar os limites da persepção em suas obras, e com o blog estão prestando um serviço para a memória da arte paraense que possui poucos canais de informação e difusão.