Artistas visuais paraenses em expedição

 

“Rio/ de muitos nomes/ Ser/ de muitas formas e fomes” esse trecho do livro “Porantim”, do poeta e professor de estética João de Jesus Paes Loureiro, foi a nascente desse projeto que tem na relação das cidades com seus rios e as periferias em suas margens sua proposta artística. Segundo Ramiro Quaresma, curador e idealizador do projeto “a arte como uma expedição sempre foi um projeto-sonho nosso, quando começamos o blog Xumucuís (do tupi, sussurro das águas). Depois de três edições do Salão de Arte Digital, vamos concretizar esse projeto criando um hiper_espaço conectando o Pará e a Paraíba, não apenas no ciberespaço, mas em uma experiência vivencial de múltiplas linguagens artísticas”.

 

O projeto «Hiper_Espaço Xumucuís [Guamá, Jaguaribe]», contemplado no Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais 10a Edição, fará um intercâmbio entre artistas visuais do estado do Pará e da Paraíba e tem na exposição «Sussurro dos Rios: Guamá/Jaguaribe» sua mostra de resultados e nas experimentações em grafite + pixo, fotografia + estêncil, pintura + intervenção e live cinema + mapping, com jovens artistas/instrutores paraenses. A exposição será pensada e montada de forma colaborativa na oficina “Curadoria em Multimeios” no próprio espaço expositivo. A primeira etapa acontece em João Pessoa na Paraíba no mês de maio em vários espaços da cidade e em junho em Belém no processo inverso. “Conhecemos pela internet vários artistas e produtores paraibanos, constatamos que pouco ou nada se sabia dos caminhos das artes visuais um do outro e esse projeto de intercâmbio pretende criar um link de arte e vida entre os participantes” diz Deyse Marinho, museóloga e coordenadora de produção do projeto.

A exposição tem curadoria de Ramiro Quaresma e Dyógenes Chaves, curadores do Pará e da Paraíba respectivamente, com os artistas Fábio Graf, Jeyson Martins, João Cirilo e Rodrigo Sabbá, que se juntarão a artistas paraibanos no projeto a partir das vivências em João Pessoa. A proposta curatorial é juntar artistas de múltiplas linguagens, que trabalhem em processos híbridos de criação artística com intervenção urbana, e proporcionar o surgimento de obras, individuais e coletivas, das oficinas no espaço Energisa, nas vivências no Espaço Mundo, para a exposição na Galeria da Estação Cabo Branco a ser aberta em 13 de maio de 2014. Em junho será a segunda etapa do projeto em Belém, onde artistas paraibanos selecionados entre as vivências virão a Belém para um novo ciclo de oficinas e exposição. Todas as atividades do evento são gratuitas. A única oficina com pré-requisitos de currículo para inscrição é “Curadoria e Multimeios”, as outras são abertas a todos os interessados com idades a partir dos 14 anos.

Projeto Paraiba Final Novo

«Hiper_Espaço Xumucuís [Guamá, Jaguaribe]» é uma realização Xumucuís, com apoio institucional da Prefeitura de João Pessoa, Estação Cabo Branco, Energisa, Espaço Cultural Energisa e Espaço Mundo, parceria Fora do Eixo e Varadero, em uma realização Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais 10a Edição, Funarte, Ministério da Cultura e Governo Federal.

 

 

SERVIÇO

 

Oficinas

 “Pintura + Intervenção Urbana” com João Cirilo

05 a 09/05 das 09 às 12h – Espaço Energisa

20 vagas

 

“Grafite + Pixo” com Fábio Graf

05 a 09/05 das 09 às 12h – Espaço Energisa

20 vagas

 

“Pinhole + Estêncil” com Jeyson Martins

05 a 09/05 das 14 às 17h – Espaço Energisa

20 vagas

 

“Live Cinema + Mapping” com Rodrigo Sabbá

05 a 09/05 das 14 às 17h – Espaço Energisa

20 vagas

 

“Curadoria em Multimeios” com Ramiro Quaresma

12 a 13/05 das 9 às 12h e 14 às 18h – Estação Cabo Branco

20 vagas

Bate-papo (Pós-tv) e vivências – Espaço Mundo

07, 08 e 09/05 a partir das 19h.

 

Exposição – Estação Cabo Branco

Abertura – 13 de Maio às 19h

 

Informações

xumucuis@gmail.com / (91) 8239 2476

 

Anúncios

ENTRESILHAS

886482_138462002992172_424124389_o

Projeto idealizado por Fernanda Grigolin e Luciana Penna realizado em duas etapas, uma na Ilha do Marajó (PA) e outra na Ilha de São Sebastião (SP), trabalho artístico coletivo em múltiplas plataformas com participação de Irene Almeida, Lucas Gouvêa e Ionaldo Rodrigues. Essencialmente experimental Entreilhas é um projeto para ser sentido e vivido, no Tumblr do projeto nos deparamos com imagens, sons e vídeos a primeira vista aleatórios mas que somados criam um conjunto bem inventivo e diverso de vivências artísticas. Realizado a partir do edital 9° Rede Nacional Funarte de Artes Visuais.

Entresilhas from Fernanda Grigolin on Vimeo.

ENTRESILHAS parte de uma iniciativa conjunta da escritora e roteirista Luciana Miranda Penna e da artista visual Fernanda Grigolin. O projeto consiste na construção de um estudo poético sobre duas ilhas brasileiras: uma no Norte do país, a Ilha de Marajó, e outra no Sudeste, a Ilha de São Sebastião. Tal estudo conta ainda com mais 4 artistas, uma residente em São Paulo, a artista gráfica Karina Francis Urban, e três residentes no Pará: o fotógrafo Ionaldo Rodrigues, a fotógrafa Irene Almeida e o artista multimídia Lucas Gouvêa. O fato de a equipe provir de linguagens, gerações e estados distintos é de fundamental importância para a riqueza das soluções coletivas e híbridas a ser desenvolvidas, as quais caminham para culminar em um livro de artista coletivo, realizado em processo artesanal e técnica mista que será editado e distribuido por Publicações Iara, e uma videoarte também elaborada coletivamente, coordenada por Luciana Miranda Penna.

Devemos ressaltar, que mais que um projeto que vise a produtos finais específicos, o ENTRESILHAS é uma proposição que tem o interesse de garantir que os artistas envolvidos tenham a possibilidade de desenvolver suas singulares pesquisas. Cada artista mergulhará no seu estatuto de ilhamento, de ENTRE, do lugar aterrado e do estrangeiro, do não-lugar e do paradoxo que  tal condição continuamente nos instiga a criar e a buscar linguagem próprias. Numa troca permanente, evidente, com a Ilha alheia, o outro.

No limite, o ENTRESILHAS é o locus do ENTRE, entre seis ilhas distintas, seis sujeitos, numa espécie de mîse-em-abisme, de jogo de espelhos, cuja direção só processo de pesquisa e imersão artística poderá revelar. Não sabemos que tesouros nos esperam (haja vista que o tesouro pode ser entendido com o desejo com sua plasticidade que se vem de nós, também nos escapa), não sabemos que tesouros ao certo buscamos, que tesouro enterraremos, do que nos despediremos ou não. Tal estatuto de incerteza ganha mais e significativos contornos, na medida em que, a título de ilustração, parte dos artistas jamais estive junto pessoalmente e só se encontraram no tempo e no espaço via internet. A única certeza talvez seja o buraco, o vazio a que a busca ao tesouro configura e nos impele a ocupar. A forjar em imagem, em som, em corpo, em letra. ENTRESILHAS é também uma espécie de arqueologia do presente para aqui,  para o passado e futuro, para mais a lá. Para um lugar de nós mesmos que se esquecido, ou mesmo desconhecido, incriado que seja, a experiência coletiva pode deflagrar. Assim, do bojo de seis ilhas em diálogo com ILHAS geograficamente postas, uma terceira ILHA surgirá. Advento que também se dará na imbricamento dos seis sujeitos do coletivo com os habitantes do local, ou seja, outras e outras ilhas em troca e movimento contínuo. Quantos ENTRE e entradas tal jogo permutará e permitirá aos envolvidos? É o que queremos saber.

O processo de construção do ENTRESILHAS: relatos, fotos, sons, achados, será relatado em um blog, uma espécie de diário de bordo em que escritos ficcionais,citações/referências acadêmicas/apropriações serão postadas pelos artistas ilhados.  Tal material criado pelos participantes circulará em várias mídias socias como facebook e twitter.

Que mais ilhas nos acompanhem no ENTRESILHAS e que mais ILHAS surjam ad infinitum. Venham, venham! Entrem!, entrem nessa navegação, por favor!

E mais: monte sua a Ilha a partir do material aqui postado e envie para nós no e-mail entresilhas@gmail.com

Lançamento da primeira edição impressa da Revista Gotaz

 

A Revista Gotaz lança nesta quinta, 13, sua primeira de oito edições previstas para 2012 segundo o edital nacional da Funarte de estimulo a publicação de periódicos impressos e digitais onde foi aprovado o projeto.

O projeto denominado “REVISTA GOTAZ: PUBLICAÇÃO EDITORIAL ON-LINE E IMPRESSA DE ARTE VISUAL CONTEMPORÂNEA NA AMAZÔNIA”, proposto por Diana  Figueroa, irá publicar em formato digital e impresso, de acordo com o edital, 08 edições no ano de 2012.

Depois de um mapeamento das artes visuais a equipe, encabeçada por Diana Figueroa e Daniel Silva, coloca gratuitamente no mercado editorial paraense e com ampla distribuição nacional uma revista produzida e com projeto editorial do estúdio Gotazkaen.

Nesta Edição tem com destaque a obra do Mestre Nato, grande artista visual que transita entre o sagrado e o profano em suas obras.

 

Vamos acompanhar de perto esse grande estímulo à produção crítica e difusão das artes visuais na Amazônia.

Funarte lança quatro editais de artes visuais

Inscrições estão abertas para o Prêmio Marcantonio Vilaça, Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, Rede Nacional Artes Visuais e Bolsa de Estímulo à Produção em Artes Visuais

A Funarte está com inscrições abertas, até 1º de outubro, para o Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça, XII Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia, Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais – 9ª Edição e Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais. A portaria foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, 16 de agosto de 2012.

Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça – O edital visa incentivar produções artísticas destinadas ao acervo das instituições museológicas públicas e privadas sem fins lucrativos, fomentando a difusão e a criação das artes visuais no Brasil e sua consequente formação de público. Serão contemplados 15 projetos, com premiações de R$ 70 mil a R$ 350 mil.

XII Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia – O objetivo é estimular a valorização da linguagem fotográfica por meio de produção, pesquisa, criação, reflexão, documentação e circulação, contribuindo assim para a consolidação de um campo específico da fotografia no âmbito da economia da cultura. Serão contemplados 45 projetos, no valor de R$ 50 mil cada, distribuídos em três módulos: inéditos de criação, documentação e produção de reflexão crítica sobre fotografia, visando à difusão, ao fomento, à reflexão e à produção fotográfica.

Programa Rede Nacional Funarte Artes – 9ª Edição – O edital visa fomentar a reflexão e o debate sobre as artes visuais, desenvolver instrumentos de capacitação para artistas e técnicos do setor e promover a circulação dos profissionais da área por todo o país, além de estimular a formação de público. Serão selecionados 30 projetos que promovam o intercâmbio inter-regional por meio de um conjunto amplo de atividades e experimentações ligadas às artes visuais, tais como: oficinas artísticas, oficinas de qualificação, workshops, palestras, performances, instalações, novas mídias, seminários, intervenções, exposições, atividades pedagógicas e pesquisa de linguagem. O valor da premiação para cada contemplado é de R$ 100 mil.

Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais – O objetivo é fomentar a formação de artistas e demais profissionais das artes visuais e a produção de arte contemporânea brasileira, dando possibilidades às experimentações das linguagens, de técnicas e de poéticas, além de estimular a reflexão e o debate sobre as artes visuais. Serão selecionados dez projetos na categoria Bolsa Estímulo à Criação Artística e cinco na categoria Bolsa Estímulo à Produção Crítica. Cada contemplado receberá R$ 40 mil.

Acesse abaixo os editais e anexos:

Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça
XII Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia
Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais – 9ª Edição
Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais