Ibram lança cadastro de obras roubadas e furtadas de museus

Ibram lança e furtadas de museus cadastro de obras roubadas

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) lançou no último sábado (18/12) o Cadastro de Bens Musealizados Desaparecidos, que reúne informações sobre itens desaparecidos de acervos pertencentes aos museus. O lançamento do cadastro foi feito em evento comemorativo ao Dia do Museólogo, no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro.

O cadastro tem como objetivo possibilitar o rastreamento, a localização e a recuperação desses bens. A listagem está disponível na página www.museus.gov.br/desaparecidos. A criação de uma base de dados nacional relativa aos bens de museus é um passo importante no combate aos roubos de bens culturais. O objetivo é coibir o comércio ilegal de arte brasileira.

Inicialmente, a listagem conta com 112 itens desaparecidos por roubo ou furto de nove museus dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás vinculados ao Ibram/MinC. Mas o cadastro será permanentemente atualizado, pois a ideia é ampliar a base de dados e incentivar a adesão de museus privados e públicos de todo o país para que alimentem a lista enviando informações sobre itens desaparecidos. Ibram e Polícia Federal elaboram termo de cooperação para incluir o cadastro em uma ampla rede nacional e internacional de organismos de segurança pública, de controle aduaneiro, comerciantes de antiguidades e de artes em geral.

Dos 112 itens registrados, 58% deles desapareceram por motivo de furto e 42% por roubo. “Vamos atuar numa linha de recuperação de obras e de diminuição desse tipo de ocorrência em museus”, afirma o coordenador do Patrimônio Museológico do Ibram/MinC, Cícero Antônio de Almeida, também responsável pelo projeto do cadastro.

A probabilidade de recuperação dos acervos furtados ou roubados está diretamente ligada à rápida e eficiente circulação de informações sobre a ocorrência, razão pela qual é importante a comunicação imediata do desaparecimento do bem. “Essas peças são únicas, não são mercadorias que você pode levar uma e existem outras cem iguais”, explica Cícero.

Informação a serviço da segurança
O Cadastro de Bens Musealizados Desaparecidos faz parte do conjunto de políticas voltadas ao aperfeiçoamento das medidas de segurança dos museus brasileiros.
As informações contidas no Cadastro serão fornecidas pelos próprios museus, da seguinte forma:
1) Após tomadas as medidas legais necessárias sobre o furto ou roubo, o museu, através de seu representante legal, deverá entrar em contato com a Coordenação de Patrimônio Museológico pelo email bensdesaparecidos@museus.gov.br e pelo telefone
2) A informação será confirmada pelo Ibram junto à instituição solicitante e  inserida no cadastro
3) Os museus podem enviar informações de ocorrências anteriores, que deverão ser encaminhadas da mesma forma;

Itens desaparecidos por categorias:

      • 36% acessórios de interiores (mobiliário, objetos de casa, etc)
      • 26% objetos pessoais
      • 26% arte sacra
      • 7% artes visuais
      • 2% arma
      • 2% documentos
      • 1% outros

Fonte: Assessoria de Comunicação, Ibram/MinC

Data de Publicação:  17/12/2010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s